Vida no Utero

 

Encarnação: a vida no útero

David Boadella*

Para formar o corpo de uma nova pessoa, as células germinativas que se encerram nos tecidos dos pais primeiro devem ser libertadas para poder flutuar livremente. Esses são eventos explosivos e extáticos. A ovulação, como pode ser observada num filme microbiológico, é um processo espetacular, de tirar o fôlego: a visão do folículo maduro rebentando para expelir o futuro óvulo causa palpitações de assombro e admiração naqueles que o vêem. O próprio orgasmo, durante o qual o esperma é lançado pela ejaculação a distâncias centenas de vezes maior do que seu próprio comprimento para começar sua jornada, é capaz de espalhar uma onda de choque de excitação em todos os tecidos do corpo.

O espermatozóide e o óvulo, pontinhos microscópicos do plasma do embrião e portadores de uma história pré-histórica, começam a nadar um em direção ao outro. O óvulo flutua pelo canal do oviduto e é transportado pelas ondas peristálticas e o bater dos cílios que revestem o tubo. Cerca de 400 milhões de espermatozóides nadam contra a corrente, como salmões em miniatura forçando seu caminho rio acima. A corrente de muco se dilui e se torna mais fluida.

Se uma gota de muco for colocada numa lâmina de vidro e esquentada cuidadosamente, serão vistos ao microscópio padrões mais ou menos regulares à medida que o muco secar. Estes padrões atingem seu ponto máximo na ovulação quando o muco fica mais delgado, aguado, podendo ser facilmente penetrado pelo espermatozóide. (Nilsson, 1967)

10 Os padrões cristalinos, ao microscópio, se parecem com folhas de samambaia, ramos de coral, fragmentos de flocos de neve. “Eles estão oscilando constantemente e suas linhas de sustentação tornam-se frouxas por um momento.” Então, um espermatozóide pode aproveitar a oportunidade para nadar no espaço livre à frente o mais rápido possível. É bastante parecido com um “corredor polonês”. Quando se é tão pequeno quanto um espermatozóide, deve-se prestar atenção às moléculas e às suas posições. A penetração do espermatozóide no muco cervical é muito semelhante ao progresso de uma frota de barcos que sobe em um rio cheio de troncos invisíveis. (id., ibid.)

A corrente de muco que transporta esse cardume fantástico do espermatozóide não somente os alimenta, como parece também lhes abrir o apetite. Algum componente das secreções lhes fornece energia e os atrai em direção ao óvulo. O primeiro dos cerca de 400 milhões a entrar em contato com a membrana gelatinosa do óvulo gera uma resposta: a membrana parece formar um cone e tornar-se macia o suficiente para permitir ao espermatozóide dianteiro que adentre ao fluido interior da célula. Tão logo ele tenha entrado, a membrana torna-se impermeável para os espermatozóides remanescentes, que tentam abrir caminho de todos os lados.

* Formado em neuropsicologia e embriologia na Open University, trabalhou muitos anos como orientador em psicologia humana na Antioch University Internacional. É o criador da Biossíntese e editor da revista Energia e Caráter.

O zigoto que flutua livremente, mas ainda não foi fertilizado, continua a sua lenta viagem pelo oviduto. Depois de cerca de trinta horas, ele terá alcançado sua primeira divisão em suas células. Stanley Keleman escreveu:

Se você vir uma célula se dividindo, perceberá primeiro que a célula está excitada, vibrando. Você vê a formação de dois pólos, duas áreas de atividade interna intensa. Você realmente vê a difusão entre um pólo e outro, e o alinhamento dos corpos dos cromossomos dentro deste corpo. A difusão entre os dois pólos se intensifica até que se torne uma pulsação, e, depois, uma corrente. A corrente comunica a informação mais profunda sobre a vida – como fazemos quando nos comunicamos. Somos todos harmonizados por padrões de excitação, queríamos ou não. (Keleman, 1975)

Gastemos uns poucos minutos tentando alcançar a simplicidade do projeto que realça a estruturação complexa do organismo humano. Do óvulo ao feto completo, haverá cerca de quarenta divisões celulares. Durante a primeira semana o crescimento é pequeno, as células se dividem seis ou sete vezes, a intervalos diários, grosso modo, mas ainda formam um grumo, como uma amora preta microscópica (a mórula), não maior que o óvulo original. É mais ou menos nesse período que ele se prende à parede do útero e começa a fazer seu ninho dentro dele.

À medida que o grumo de células de uma semana se aproxima rapidamente da parede do útero, realiza sua primeira incrustação. No filme biológico, a implantação se parece com um pouso na lua. R. D. Laing, na sua palestra sobre “A vida antes do nascimento”, deu grande ênfase à importância dessa transição. 11 Ele sugeriu que a implantação era equivalente à adoção, e que o corpo celular que se encaixava era de algum modo sensível à receptividade do útero. O estado de livre flutuação da consciência, conhecido em certos estados místicos e dissociados, traz consigo um medo de ser carregado pela água. Os mitos do herói que muito cedo na sua existência é posto num repositório e desce o rio até aportar num lugar adequado corresponderiam, sugere Laing, a esse período da jornada dentro da trompa de Falópio. Se o útero for sentido como não receptivo, as fantasias ou pesadelos de se estar sendo tragado por areias movediças podem assombrar uma consciência posterior. Mai se o útero for receptivo, a massa celular efetivamente estende raízes num solo fértil. Para o resto da sua vida no útero, o organismo em crescimento permanecerá enraizado como uma planta, até o rompimento final da sua raiz durante o terceiro estágio do parto. Na imaginação fértil de Laing, a parede do útero é o solo, o embrião é a semente, as vilosidades do córion são as raízes primais, o umbigo em desenvolvimento é o caule e o feto, o fruto em desenvolvimento da planta. Laing (1976) escreve:

Antes da implantação, as secreções do tubo uterino podem ser calmas ou tempestuosas… abundantes ou áridas; pode-se rodopiar, girar, flutuar, voar; ele foi arremessado contra rochas; foi carregado até a praia várias vezes antes do final da jornada. Antes da eventual implantação definitiva, muitas aventuras podem ocorrer. Essa jornada para a implantação pode formar um modelo para os padrões subseqüentes. Assim como a implantação pode ser cartografada por ocasião do nascimento…

O nascimento é o reverso da implantação, e a recepção, que se tem do mundo pós-natal gera uma ressonância simpática dentro de nós com relação à nossa primeira adoção pelo nosso mundo pré-natal.

O óvulo fertilizado, levando a sua carga de informação para formar um corpo humano, continua a se dividir. Compreendemos pouco desse processo. Cada célula do corpo completo resulta da vontade daquele único óvulo fertilizado, porém todas as células serão especializadas e diferenciadas. O único e mesmo óvulo gerará células nervosas, células musculares, células sanguíneas e células ósseas. O olho e a cabeça emergirão da mesma fonte de unidade, com a mesma linhagem. Para os geneticistas, no começo do processo de divisão todas as células são “totipotentes”, todas têm a habilidade de gerar a mão e o olho, o coração e o cérebro. Mas de alguma forma elas são “dirigidas” a agir apenas com uma parte da sua cópia genética total. “Sinais” do meio ambiente da célula em divisão podem ativar ou inibir uma dada célula-filha a se desenvolver na direção do nariz ou do dedo, do pulmão ou do rim. As células do zigoto se dividem e se multiplicam. A “bola” de células cresce e começa a ganhar forma. O que determina essa forma, o que organiza a configuração do humano em crescimento e suas milhões de partes diferenciadas? Os biólogos podem descrever o que ocorre na morfogênese – a origem da forma -, mas são capazes apenas 12 de teorizar acerca do campo organizador que conduz as células certas a se associar aos lugares certos para tornar possível a função orgânica em vez do caos. O que eles descrevem é um processo de movimento protoplásmico direcional, à medida que as células individuais migram e se repõem no corpo da “bola” que se alonga e se invagina. Esse processo é chamado corrente morfogenética. As células fluem por gradientes bioelétricos e químicos para lugares funcionalmente organizados no corpo, diferenciando-se à medida que se dividem, e mantendo a sua função específica de tecido por meio do seu contato com células adjacentes. Aquilo com que podemos apenas nos maravilhar, cujas trajetórias a genética do desenvolvimento pode somente descrever, é um processo de autoformação.

Nas próximas duas semanas, esse grumo de cerca de cem células crescerá mil vezes, desdobrando-se num disco alongado com uma cabeça numa ponta e um apêndice na outra, que já consiste de três camadas: uma parte traseira, uma intermediária e uma dianteira. Ele nunca crescerá tão rápido quanto nestas duas semanas, ocasião na qual se enrolará, transformado-se numa série de tubos. Você precisa entender de geometria tridimensional para seguir as transformações topológicas desse período.

Otto Hartmann (1959) descreveu como são formadas essas três camadas de disco: o embrião é literalmente construído de dentro para fora. Formam-se duas vesículas celulares com cavidades elípticas, o saco amniótico e o saco de sacos nadando no magma dentro de um invólucro (feita de células trofoblastas).

Mas das células que revestem a superfície inferior do saco amniótico se desenvolve o ectoderma, a camada exterior do corpo; das células que revestem a superfície superior do saco de vitelo se desenvolve o endoderma, a camada interior do corpo, enquanto a partir das células do magma se forma o mesoderma, o material de tamponamento do corpo.

A três camadas do disco original – exterior (ecto), intermediária (meso) e interior (endo) – possuem, cada uma, um sistema tubular associado.

Ao longo da parte traseira forma-se um sulco; as bordas se dobram para dentro para formar o canal neural, um tubo selado cheio de fluido que brevemente crescerá na ponta da cabeça formando três protuberâncias – estamos presenciando a emergência daquilo que se tornará as três partes do cérebro (cérebro anterior, mediano e posterior).

A dobradura descendente e o rolamento de todo o disco, que forma um cilindro comprido curvado, provêem o tubo central do corpo, o intestino.

O trato digestivo como um todo, que começa nos lábios, não é simplesmente uma bomba cilíndrica, mas uma estrutura ritmicamente articulada, dividindo o processo do metabolismo no espaço e no tempo em diversas partes principais, em 13 expansão e contratação. É como se este ritmo tivesse se tornando uma forma, e superposta a ela se encontra a peristalse do intestino, que ainda é puro movimento. (Schwenk, 1965)

Todo os órgãos da digestão – estômago, fígado, pâncreas – irão germinar dali no tempo devido, diferenciando-se à medida que crescem. E os pulmões também germinarão da ponta frontal deste tubo interno, como duas pequenas vagens, que se subdividirão e ramificarão no padrão semelhante à árvore dos tubos branquiais.

Fora da camada intermediária do mesoderma, estão brotando células dos dois lados em direção ao centro, para formar as duas metades de um terceiro tubo que se fundirá no coração em sua forma primitiva. Por volta dos 25 dias, num organismo pesando menos de um milésimo de um grama, aquele coração terá começado a bater: o tubo pulsa espontaneamente.

A fundação e a forma totais do coração são um reflexo dos processos ondulatórios da água que, nos seus movimentos de expansão e contração, é como se fossem espaços separados que estivessem se formando continuamente… o órgão pulsa no ritmo de uma corrente de líquido a partir da qual foi formado, tornando assim este ritmo visível, simplesmente… no coração humano, a forma e o movimento estão inter-relacionados, unindo-se num processo rítmico no espaço e no tempo… as fibras do coração são um eco físico dos movimentos criativos a partir dos quais começam. Elas nadam em trajetórias espiraladas até o ápice e então erguem-se novamente na sua base. Elas fazem os mesmos movimentos e enfatizam a corrente vortiginosa cíclica dos fluidos dentro do coração. (id.,ibid.)

Apenas depois de passadas as primeiras três semanas esse conjunto de tubos é chamado embrião. Embrião significa expandir-se ou germinar. Nas próximas cinco semanas, todas as estruturas fundamentais do corpo humano terão sido assentadas. Rios de células surgirão para construir a carne, o músculo e, algum tempo depois, o osso. Os nervos crescem a partir da espinha dorsal primitiva, como raízes delicadas em direção aos órgãos com os quais se comunicarão. Ilhas de sangue surgem e se alongam, juntando-se como gotas de chuva para formar riachos: o sistema vascular está se formando.

Protuberâncias emparelhadas do cérebro (as retinas) se desenvolvem para encontrar cavidades emparelhadas na pele exterior: as duas metades dos olhos estão fazendo contanto uma com a outra.

Em primeiro lugar, a pequena protuberância da vesícula óptica cresce no cérebro anterior. A vesícula óptica toca o interior do ectoderma e ele, por sua vez, se torna invaginado neste ponto, em direção à vesícula óptica, ganhando espessura para formar os cristalinos. A vesícula óptica é comprimida à medida que abre caminho para o cristalino e adquire a forma de uma xícara ao seu redor. Os cristalinos, deslocando-se para dentro, afrouxam então o contato com a superfície e são envolvidos pelo recipiente óptico recentemente formado. Também pode-se entender o modo como 14 surgem as retinas no ser humano a partir dos princípios de fonte e escoadouro. O ponto no qual o nervo óptico deixa o olho é como a saída, o escoadouro numa corrente de água, e a fóvea central próxima dele é como uma nascente. (id,. Ibid.)

Em algum lugar entre o coração e a boca, germinações de carnes estão crescendo para se tornarem cotos e, depois, braços, dos quais crescerão mãos, que se abrirão em estrelas rombudas, que se tornarão dedos. E pouco depois as germinações das pernas se desenvolverão.

Dos lados do tronco, células estão se movendo em doze correntes horizontais para formar as costelas. Elas se encontram na linha mediana do peito, onde ajudam a formar o esterno. No meio das costelas e na parede do tronco perto do peito, futuras células musculares estão migrando. E logo abaixo da superfície a pele está ganhando forma. (Nilsson, 1967)

A forma dos órgãos interiores e a distribuição externa da carne que os encerra refletem os movimentos serpenteantes e migratórios das correntes celulares primitivas, do mesmo modo que uma rocha preserva as linhas dos fluxos de magma derretido, ou o vidro retém as formas onduladas que foram sopradas dentro dele:

Ao longo dos membro, correm sistemas inteiros de correntes que o músculo acompanha de modo aproximado. Tanto os músculos quanto os vasos falam da mesma coisa: movimento de corrente em formas espiraladas. Esse movimento corre através dos tendões dentro dos ossos. O osso ergueu um monumento de pedra ao movimento de fluxo do qual se originou: realmente seria possível dizer que o líquido “expressou-se” no osso. (Schwenk, 1965)

No final desses dois primeiros meses – quando se deu o formato primitivo de todos os órgãos, e a cartilagem protetora é lentamente congelada em varetas, anéis e lamelas de osso, prontos para o tempo em que deverá haver resistência à gravidade – o organismo contém alguns bilhões de células. Ainda pesando menos de dois gramas, começa a fazer movimentos de natação, arqueando e flexionando as costas e membros.

Como um astronauta na sua cápsula, o feto bóia no saco amniótico com as vilosidades da placenta ao redor deles como uma grinalda luminosa. As nebulosas e as constelações neste firmamento são formadas por células do sangue materno e cristais de sal das águas fetais. (Nilsson, 1967)

O período da formação dos órgãos e desenvolvimento dos tecidos termina depois de uma centena de dias. Nos sete meses restantes de gravidez, o feto crescerá umas seiscentas vezes em tamanho, mas basicamente não terá novas estruturas.

15 Os biólogos do desenvolvimento, lutando para estabelecer uma linguagem que expresse uma organização e sincronização um milhão de vezes mais complexas na sua temporização do que qualquer lançamento de foguete à Lua, são levados a adotar termos que soam estranhamente. Eles falam de habilidade e compromisso, atração e contato, informação e organização, determinação e estratégia.

Em que estágio, nesta fase de um corpo em formação, podemos falar de experiência, sensibilidade, memória primitiva? Os ouvidos podem ouvir antes que o rosto tenha terminado de se formar, seis semanas depois da concepção. O ato de chupar o dedo pode ocorrer antes da metade da gravidez, quando os dedos ainda não têm ossos. É nesse período que a mãe, notando os movimentos mais vigorosos dentro do útero quando o feto bóia na água, reconhece e sente os primeiros movimentos do feto.

Os movimentos primitivos de natação do feto são treinos para os movimentos que ele fará na vida pós-natal, quando aprenderá a resistir à gravidade. São os alicerces biológicos da agressão (no sentido de mover-se para a frente), que está baseada na mobilização dos músculos da espinha dorsal. Este é o modo como A. W. Liley descreve os movimentos fetais primitivos, à medida que o feto muda de posição no útero:

O mecanismo por meio do qual o feto troca as extremidades no útero é simples: ele se propulsiona ao redor dele por meio dos pés e das pernas. O mecanismo pelo qual muda de lado é mais sutil: ele emprega uma rotação espiral longitudinal elegante e na metade do giro torce à espinha a 180º. Primeiro, estende a cabeça e a rotaciona, depois rotaciona os ombros e finalmente a espinha lombar e as pernas – de fato, ele está usando seus reflexos espinhais longos. Considerando que esta é a maneira óbvia de girar, não haveria nada de notável a esse respeito a não ser que, de acordo com a literatura sobre a função locomotora do neonato e da criança, o bebê não se vira usando seus reflexos espinhais longos antes de completar catorze ou vinte semanas de vida extra-uterina. No entanto, temos filmes inequívocos do feto usando este mecanismo pelo menos tão cedo quanto com 26 semanas de gestação, e é evidente que a razão pela qual não vemos este comportamento no neonato não é a de que lhe falte coordenação neurológica, mas antes porque um truque simples num estado de flutuabilidade neutra se torna difícil sob a recém-descoberta tirania da gravidade. (Liley)

A memória consciente mais antiga da maioria das pessoas gira em torno dos dois anos. A psicanálise nunca penetrou antes dessa idade porque a sua ferramenta era a linguagem. Uma criança de dois anos já teve 34 meses de experiência corporal, dez dos quais dentro do útero. Devemos acreditar que esse período primordial rico, quando o organismo cresce mais rápido que em qualquer outra fase da vida, não deixa pistas nos tecidos?

Em muitas formas de terapia – por hipnose, do grito primal, reichiana, com LSD – as pessoas afirmar lembrar e reexperienciar eventos primitivos: pré-verbais e pré-natais. Há uma evidência crescente de que os padrões 16 excitatórios do feto, agradáveis e desagradáveis, bem como os padrões reflexos de movimento associado a eles, são retidos de alguma forma recuperável.

Nesse sentido, não precisamos limitar a memória ao cérebro. Organismos sem tecido cerebral ou sistema nervoso têm experiências. Eles são sensíveis, respondem ao meio ambiente e atuam sobre ele. Parece ser propriedade até de uma simples célula possuir algum sistema de memória primitiva de estados organísmicos passados.

Muitors dos que leram os relatos de estados primitivos pré-verbais oi viram tais estados serem aparentemente revividos aceitarão a realidade das lembranças pré-natais. Mas há reivindicações anteriores. Sob LSD, as pessoas declaram experienciar estados embrionários primitivos, até estados de concepção. Alguns desses eventos aparentemente “relembrados” não poderiam ter acontecido no útero. Denys Kelsey e Joan Grant escreveram um livro chamado Many Lives, no qual afirmam ter recuperado lembranças de mortes anteriores e experiências de vidas passadas.

Não desejo entrar aqui em controvérsias sobre a reencarnação, a natureza da consciência e a questão da existência de uma entidade separada do corpo. Estou começando, portanto, pela concepção. Não importa se os relatos que se seguem serão entendidos como “lembranças”, “fantasias” ou “reconstruções imaginárias”. De qualquer modo são experiências profundas que afetam a consciência e, com freqüência, as vidas subseqüentes daqueles que as vivenciaram. Estão mais próximas do que jamais conseguiremos recuperar sobre as nossas origens subjetivas. Portanto, começaremos com o sonho do esperma. A experiência que se segue foi relatada por um psiquiatra depois de uma sessão de tratamento sob LSD.

Comecei a experienciar uma excitação estranha, diferente de qualquer coisa que jamais tenha sentido na vida. A parte mediana das minhas costas estava gerando impulsos rítmicos e tive a sensação de estar sendo propulsionado através do espaço e do tempo em direção a algum alvo desconhecido: tive uma percepção muito vaga do destino final, mas a missão pareceu ser da maior importância. Depois de algum tempo, fui capaz de reconhecer, para minha grande surpresa, que eu era um espermatozóide, e os impulsos explosivos regulares eram gerados por um marcapasso biológico e transmitidos a um flagelo longo que se deslocava como um relâmpago em movimentos vibratórios. Então me dei contra de que o alvo a atingir era o ovo, penetrá-lo e engravidá-lo. A despeito do fato de que toda essa cena parecesse absurda e ridícula à minha mente científica sensata, não pude resistir à tentação de me envolver nesta corrida com toda a serenidade e total investimento de energia.

Ao experimentar a mim mesmo como um espermatozóide competindo pelo ovo, estava consciente de todos os processos envolvidos. O que estava acontecendo tinha as características básicas do evento fisiológicos do modo como é ensinado nas faculdades de medicina; havia, no entanto, muitas dimensões adicionais que estavam longe de qualquer coisa que a fantasia pudesse produzir num estado habitual. A consciência desse espermatozóide era todo um 17 microcosmo autônomo, um universo por si só. Havia uma clara percepção dos processos bioquímicos no nucleoplasma; numa atmosfera nebulosa, pude reconhecer as estruturas dos cromossomas, genes individuais e moléculas de DNA. Eu podia perceber sua configuração físico-química como elementos de lembranças ancestrais, formas filogenéticas primordiais, formas nucleares de eventos históricos, mitos e imagens arquetípicas, simultaneamente. A genética, a bioquímica, a mitologia e a história pareciam estar inextricavelmente entrelaçadas, e eram apenas diferentes aspectos do mesmo fenômeno…

A excitação dessa corrida estava se construindo a cada segundo, e o passo héctico parecia crescer a tal grau que lembrava o vôo de uma nave especial aproximandose da velocidade da luz. Então chegou o ponto culminante na forma de uma implosão triunfante e uma fusão extática com o ovo. (Grof, 1975)

A mesma pessoa relatou experiências aos eventos primitivos que se seguem à concepção, como parte da mesma sessão. Parece-se com uma cena do filme “Fantastic Voyage”, que se passo no interior do corpo. O filme brilhante de Motoyuka Hayashi, “The Begining of Life”, apresentado por R. D. Laing em Londre para acompanhar a sua palestra sobre a vida antes do nascimento (em novembro de 1975), é mais colorido que qualquer cenário de filme psicodélico e intensamente comovente, uma vez que traz à luz alguns dos grandiosos eventos da embriogênese. Eis o modo como esses eventos foram experienciados pelo homem que teve o sonho do esperma:

Experienciei a embiogênese que se segue à concepção de um modo condensado e acelerado. Havia novamente a plena percepção consciente dos processos biológicos, divisões celulares e crescimento dos tecidos. Havia tarefas numerosas a serem realizadas e períodos críticos a serem superados. Eu estava testemunhando a diferenciação dos tecidos e a formação de novos órgãos. Eu me tornei as arcadas branquiais, o coração pulsando do feto, colunas de células do fígado e células da membrana da mucosa do intestino. Uma liberação enorme de energia e luz acompanhava o desenvolvimento embrionário. Senti que este fulgor ofuscante tinha algo a ver com a energia bioquímica envolvida no crescimento precipitado de células e tecidos. (id.,ibid.)

Um estudante de 26 anos de idade, chamado Richard, que foi fazer terapia em decorrência de uma depressão suicida, descreve uma experiência intra-uterina que pode ser verificada independentemente.

Ele se sentiu imerso no liquido fetal e fixado à placenta pelo cordão umbilical. Estava atento à corrente de alimentação ao redor do umbigo no seu corpo e experienciou sentimentos maravilhosos de unidade simbiótica com sua mãe. Havia uma continuidade da circulação entre eles: o líquido de doação da vida – o sangue – parecia criar uma espécie de elo mágico entre ambos. Ouviu dois conjuntos de sons partindo do coração em diferentes freqüências que se fundiam em um padrão acústico ondulatório. Isso era acompanhado de ruídos surdos e roncos, que ele 18 identificou depois de alguma hesitação como sendo aqueles produzidos por gases e líquidos de sua mãe durante os movimentos peristálticos dos intestinos adjacentes ao útero. Ele estava plenamente consciente da sua imagem corporal e reconheceu que era muito diferente da adulta: sua cabeça era desproporcionalmente grande se comparada com as extremidades do corpo. Com base em sugestões que ele não foi capaz de identificar e explicar, diagnosticou que era um feto bastante maduro pouco antes do parto. (id,.ibid.)

Imerso no líquido amniótico, protegido das pressões externas e virtualmente sem peso, o feto flutuante, preso firmemente à parede uterina, está num estado de segurança e contentamento que nunca ultrapassará. Este é o período que Leboyer chamou de “Idade de Ouro” e que Stanislav Grof compara ao paraíso.

Francis Mott (1948) sugere que alguns dos sentimentos libidinais mais primitivos são gerados em todas as superfícies da pele do feto pelos movimentos da lanugem no líquido amniótico:

Estes pêlos aparecem normalmente durante o quarto mês de vida fetal e desaparecem mais comumente antes do nascimento. Os movimentos fetais começam habitualmente no quinto mês, de modo que há geralmente três ou quatro meses durantes os quais o corpo fetal está se movendo nas águas do âmnio, sua lanugem ondulando minuto a minuto para trás e para a frente como pequenas plantas num viveiro agitado pelo vento. (Mott, 1948)

Quando se recupera a condição de serenidade e tranqüilidade no útero, é experienciada como um estado de êxtase oceânico, de fusão livre de tensão. Grof relaciona este estado às experiências de unidade e fusão mística, às experiências culminantes da vida posterior. Freud, de modo similar, falou de sentimentos oceânicos, e Reich, de correntes cósmicos. O útero pode ser o mais próximo que uma pessoa possa alcançar da experiência de paraíso.

Mas, uma vez que o bebê em desenvolvimento está incrustado dentro da mãe, o seu corpo nutrido como um dos seus próprios órgãos, este sentimento corporal positivo apresenta um pré-requisito essencial: que a mãe estiver tensa, estressada ou cheia de sentimentos corporais ruins, eles podem ser comunicados ao feto?

Baseado na recuperação de lembranças de experiências fetais, Grof (1975) conclui que o feto é sensível não apensas a distúrbios consideráveis na sua existência, tais como pressões mecânicas, sons altos e vibrações intensas, mas ao distresse, se sua mãe estiver doente, exausta ou intoxicada. Sabemos que os efeitos da nicotina atravessam a barreira placentária e reduzem o nível do oxigênio no sangue do feto.

Até mais surpreendentes são as afirmações, numerosas e independentes, de que o feto está atento ou partilha dos estados afetivos da sua mãe; alguns relataram uma 19 participação do feto nas crises de ansiedade da mãe, choques emocionais, acessos de agressão o ódio, estados depressivos e excitação sexual; ou, inversamente, nos seus sentimentos de relaxamento, satisfação, amor ou felicidade. Outro aspecto interessante desta categoria de fenômenos são relatos da troca de pensamentos entre mãe e criança no útero, que adquirem a forma de comunicação telepática… Esta comunicação em múltiplos níveis com a mãe os torna agudamente atentos no que diz respeito a serem queridos e amados ou indesejados e rejeitados. (Grof, 1975)

Existe até uma sensibilidade fetal à luz. Leboyer descreve o modo como o feto percebe a luz, um halo dourado resplandecendo através da parede abdominal, se a mãe estiver despida sob um sol forte. De acordo com Smythe, do University Collage, Auckland, raios de luz projetados na parede abdominal da mãe produziram flutuações na taxa de batimento cardíaco do feto (Liley).

Os sons também impressionam a consciência do feto. Considerando que depois do nascimento ele pode ser aclamado pelo som do batimento cardíaco, parece claro que esse som já foi gravado desde o tempo da sua vida no útero.

A partir da 25º semana, o feto pulará em sincronia com a atuação de um timpanista na apresentação de uma orquestra… Elias Canetti aponta que todos os ritmos de tambor no mundo pertencem a um ou outro de dois padrões básicos: o tamborilar rápido das patas dos animais ou o batimento rítmico do coração humano. O padrão de batida da pata do animal é fácil de compreender por meio do ritual e da mágica simpática da cultura de caça. Todavia, curiosamente, o ritmo do batimento cardíaco é mais difundido no mundo, mesmo em grupos como os índios Plains, que caçaram as grandes manadas de bisão. Esse ritmo estaria profundamente gravado na consciência humana desde a vida fetal? (id.,ibid.)

Experimentos realizados na Suécia, segundo Janov, mostraram que o feto responde a um ruído de intensidade média aumentando a taxa de batimento cardíaco:

Só porque o feto não pode conceituar o estresse, isto não significa que não foi atingido per ele ou que o estresse não está tendo efeitos duradouros no seu comportamento posterior. (Janov, 1973)

Outro relato notável da sensibilidade do feto ao som é fornecido pelo sujeito de estudo de Grof, Richard:

Neste estado, ele ouviu repentinamente barulhos estranhos provenientes do mundo exterior. Tinham uma qualidade de eco muito incomum, como se ressonassem numa grande sala ou viessem através de uma camada de água. O efeito que deles resultava lembrou-o do tipo de som que os técnicos de música produzem através de instrumentos eletrônicos nas gravações modernas. Finalmente, concluiu que a parede abdominal e o líquido fetal eram responsáveis pela distorção e que esta era a forma pela qual os sons exteriores atingiam o feto. Ele tentou 20 identificar o que produzia os sons e de onde vinham. Depois de algum tempo, pôde reconhecer vozes humanas rindo e gritando, e sons que se pareciam com trombetas de carnaval. De repente, imagina que isto deveria ter sido a feira anual que acontecia na sua cidade natal, dois dias antes do seu aniversário. (Grof, 1975)

A mãe foi entrevistada independentemente, sem ser informada sobre o relato de Richard. Ela realmente tinha ido ao carnaval da aldeia antes do nascimento dele e acreditava que a excitação e o barulho ajudaram a precipitar o parto dois dias depois.

A consciência do feto está provavelmente mais perto da consciência do sonho do que qualquer outra coisa. De fato, há evidencias de que o feto sonha muito mais do que o bebê recém-nascido, do mesmo modo que o bebê sonha mais que o adulto. Bebês prematuros gastam 85% do seu tempo de sono no estágio do sonho, como foi demonstrado pelos movimentos rápidos dos olhos, enquanto um bebê gasta a metade do seu tempo de sono desta forma, e um adulto, aproximadamente um quarto. Howard Roffwarg e seus colegas no Hospital Montefiore, em Nova York, argumentaram que o estado de sonho pode estar alimentando o sistema nervoso em desenvolvimento do feto. O tempo de sonho é um tempo, de acordo com Gay Luce (1971) no seu livro sobre ritmos biológicos, no qual

O bebê às vezes pode parecer atento, pois ele chuta, fazendo pequenos movimentos de contração dos dedos, e pode sugar, sorrir e fazer careta… tal vez tenha tido uma prática pré-natal de comportamento de sobrevivência, tal como chutar e chupar o dedo durante estados de movimentos rápidos de olhos. (Luce, 1971)

O útero é a mãe dos sonhos. Nos mitos aborígines, quando querem se referir às suas origens, eles falam do tempo de sonho. Muitas pessoas, dormindo como adultos, reassumem a posição fetal que adotaram por último no útero.

O feto também responde aos estados de sonho da mãe, sincronizando com freqüência seus estados de atividade ao ciclo de sonho da mãe, segundo a pesquisa de Starman (apud Luce, 1971).

Dentro do útero, o embrião transpõe estados de imagem de dezenas de milhares de anos anteriores ao seu desenvolvimento. Neste estado, supõem-se que o feto em desenvolvimento esteja, no melhor dos casos, sujeito às imagens da mãe, que pode estar tentando desesperadamente se livrar delas. As suas comunicações para a imagem sensível do feto devem ser seguramente algo diferentes daquelas da mãe que está dando as boas-vindas à nova vida, cultuando a imagem do seu desenvolvimento no seu coração.

Durante a metade da vida fetal, o recipiente (âmnio) está crescendo mais rápido do que o conteúdo; mas no últimos poucos meses da vida fetal, a situação muda drasticamente à medida que o feto cresce e se expande para fazer contato com as membranas que o envolvem. O oceano uterino possui praias.

21 Este é o modo como Frederich Leboyer (1975) conceitua a descoberta pelo fato de que ele vive, durante este período, num universo reduzido:

O bebê comença a se sentir fechado; o universo está se contraindo. O que era antigamente um espaço sem fronteiras se torna mais confinado a cada dia. Foi-se o oceano sem limites dos dias mais precoces – e felizes; aquela liberdade absoluta não existe mais. E um dia o bebê se acha…prisioneiro. E dentro de tal prisão. A cela é tão pequena que o corpo do prisioneiro toca as paredes – todas de uma vez. Paredes que se aproximam cada vez mais o tempo todo. Até o ponto em que um dia as costas da criança e o útero da mãe parecem estar fundidos. (Leboyer, 1975)

O bebê está encerrado pela primeira vez num abraço de carne. Não há motivos para afirmar que este aperto terrestre tão próximo, depois de amplos espaços de água, seja desagradável. Dependerá muito do tônus do útero e das sensações corporais da mãe, do mesmo modo como, na primeira infância, a criança gosta de ser estreitamente apertada, e abraçada pelos pais, ou repele angustiada; isso dependerá da qualidade do abraço.

Durante o nono mês, as paredes que o envolvem estão ensaiando os movimentos de contração. Janov sugere que as contrações têm por função estimular a pele do bebê, que por sua vez estimula os sistemas corporais de que precisará depois do nascimento, do mesmo modo que os animais estimulam a pele da cria lambendo-a.

Uma vez que a criança tenha se restabelecido do seu susto inicial”, escreve Leboyer (1975), “ela vem a gostar delas. A esperar pelas contrações, a desejá-las”. “Quando chegam – abraçando a criança, acalentando-a -, ela se rende a elas; arqueia as costas, estremece de prazer nesse jogo sensual”.

Pesquisas recentes sugerem que o feto escolhe sua posição dentro do útero e o momento do parto:

Longe de ser um passageiro inerte dentro de uma mãe grávida, o feto está prioritariamente no comando da gravidez e induz todas as formas de mudanças na fisiologia para fazer dela ma anfitriã adequada. É o feto que, sem ajuda, resolve o problema homográfico – sem dúvida uma proeza se refletimos que, biologicamente, é possível para uma mulher carregar mais do que o próprio peso de seu corpo em bebês, todos estrangeiros imunológicos, durante sua carreira reprodutora. É o feto que determina a duração da gravidez. É o feto que decide como ele ficará na gravidez e de que modo apresentará o trabalho para o parto. Se ele escolher flexionar os joelhos, o feto se apresentará pelo vórtice, já que a cabeça forma um pólo menor do que as costas, coxas, barrigas das pernas e pés e que esta disposição corresponde à polaridade da cavidade uterina. Se, no entanto, ele escolher estender os joelhos, ficará mais bem assentado, já que seu tronco afundado e suas coxas formam um pólo menor do que a sua cabeça, barrigas das pernas e pés. 22 A percepção de que o próprio feto determina a maneira como ficará durante a gravidez e se apresentará no trabalho de parto, fazendo o melhor que pode o espaço e da configuração disponíveis a ele, coloca a prática da anteversão sob nova perspectiva; atualmente, é menor o número de obstetras que assume saber melhor que o feto como ficará mais confortável. É claro, ao selecionar uma posição de conforto no final da gravidez, o feto pode ter escolhido uma posição que é difícil ou impossível para o parto vaginal. Nesse sentido ele pode ser acusado de falta de visão, mas este não é um traço desconhecido dos adultos. (Liley)

O corpo desenvolvido do bebê está no seu líquido amniótico. Está pulsando com a vida, e a única cultura que conhece é o oceano uterino. Ele está pronto para penetrar no mundo gravitacional da terra caminhável e do céu respirável, embora vinte anos se passarão antes que o desenvolvimento lento dos tecidos e o preenchimento da forma chamada crescimento sejam completados. A criança se prepara para sua viagem de quinze centímetros dentro do mundo, além das paredes do útero.

PARTO: o descenso do não-nascido

Quando o feto está pronto, ele ou ela induz o trabalho de parto. Isso parece ser preparado também pelo relógio biológico, ligado à idade da placenta, que assegura que em algum momento per volta da 40ª semana depois da ovulação, as contrações adequadas serão desencadeadas no útero. O primeiro estágio do trabalho de parto começa. Lamaze comparou as contrações uterinas com o fluxo e refluxo das marés:

Crescimento da contração: maré ascendente

Apogeu da contração: remanso

Decréscimo da contração: maré descendente

Dick-Read (1946), um dos pioneiros no estudo do nascimento natural de crianças, argumentou enfaticamente que seria surpreendente se o nascimento fosse a única função natural que tivesse uma conexão orgânica com o sofrimento. Não há motivo para afirmar que o nascimento é para o bebê uma experiência traumática, como Rank sugeriu. “Apenas o nascimento traumático é traumático”, lembra-nos Janov.

O nascimento que é dolorosa para a mãe será provavelmente estressante para o bebê. Vale lembrar as dinâmicas da dor no primeiro estressante para o bebê. Vale lembrar as dinâmicas da dor no primeiro estágio do trabalho de parto.

O útero possui três camadas de músculos: uma exterior de músculos longitudinais, uma intermediária de fibras musculares correndo em várias direções e uma interior de músculos circulares. A função dessas três camadas é a 23 seguinte: a tração dos músculos longitudinais abrem a boca do útero, dilatando o cérvix e abrindo o canal de nascimento para que o bebê comece o seu descenso. A fibras da camada intermediária são estreitamente emparelhadas; as fibras mais importantes são entrelaçadas em “forma de oito” e envolvem os grandes vasos sanguíneos. As fibras apertam os vasos sanguíneos quando se contraem e os abrem para oxigenar o útero quando relaxam. A camada interior de músculos fecha a boca do útero. Os músculos longitudinais são governados pelo sistema nervoso simpático. O modo como esses sistemas se adaptam um ao outro, ou não, se dá da seguinte forma: uma mãe que está relaxada e não sofre de estresse consciente ou inconsciente estará sob a influência predominante do parassimpático. Os músculos longitudinais dilatarão o cérvix, os músculos em forma de oito abrirão os vasos sanguíneos para retirar os produtos químicos do esforço e trazer oxigênio fresco; e os músculos circulares relaxarão. Tais contrações não deveriam ser dolorosas, com exceção possivelmente da última meia hora ou algo no gênero, quando o cérvix está no seu estiramento máximo antes que o segundo estágio comece.

À medida que cada contração se aproxima, sente-se como que uma onda avolumando-se a distância. Ela ajusta automaticamente seu ritmo respiratório para ir ao encontro dela e, à medida que esta vem em sua direção, “nada” acima dela com braçadas rítmicas cuidadosamente deliberadas, direto acima da crista; então começa a senti-la desaparecer e sua respiração se torna mais suave e ela descansa. No final de cada contração, ela fax umas poucas respirações profundas. (Kitzinger, 1972)

Um bebê deveria experienciar essas contrações como um abraço cada vez mais próximo, uma massagem cada vez mais firme, mas de modo algum como uma pressão esmagadora. Montagu (1971) escreve:

Durante esse período, as contrações do útero proporcionam estimulações massivas à pele do feto… Essas estimulações são mais intensificadas durante o processo do trabalho de parto, a fim de preparar os sistemas de sustentação para o funcionamento pós-natal de maneiras diferentes daquelas necessárias no meio ambiente aquático em que o feto viveu até então. (Montagu, 1971)

Uma mãe tensa, estressada ou com medo da dor, será governada pelo sistema nervosos simpático, dominante nos estágios de tensão e ansiedade. Isso significa que o cérvix se contrairá, bloqueando a saída do útero. Os músculos em forma de oito se contrairão, apertando os vasos sanguíneos, diminuindo o fluxo de sangue e o suprimento vital de oxigênio às paredes uterinas.

O aperto dos vasos sanguíneos afeta os terminais nervosos. “Nota-se dor no útero”, indica Casserley (1975), “quando os terminais nervosos não são irrigados suficientemente pelo sangue. Um útero tenso extrai o sangue à força e 24 disso resulta a dor”. Uma conseqüência adicional à ação do simpático é que os músculos longitudinais recebem um menor número de impulsos do sistema parassimpático. Ele continuará se contraindo, no entanto, porque é governado em primeiro lugar pelo hormônio oxitocina, que o estimula a se contrair.

Temos agora uma situação em que o útero procura fazer duas coisas antagônicas ao mesmo tempo: tentando abrir, sob a influência do relógio biológico que atua através do hormônio, que por sua vez prepara o caminho para que o bebê nasça; e, ao mesmo tempo, tentando permanecer fechado, sob a influência dos nervos simpáticos levados a agir pelo medo. É como tentar dobrar o braço e estirá-lo ao mesmo tempo: o braço tem um espasmo e fica dolorido. É exatamente isso que ocorre no útero da mãe incapaz de relaxar e condicionada a esperar pela dor. Quais são os efeitos sobre o bebê? Ele está agora numa situação intolerável, na qual o que poderia ter sido uma massagem firme começa a parecer um esmagamento até a morte. Grof (1975) escreve esta experiência como a de “sem saída”, ou inferno. Um sujeito em terapia relembrou esse estado com estas palavras:

Eu estava totalmente submergido numa situação da qual não haveria escapatória, a não ser morrendo. Sentia que faria qualquer coisa para escapar, mas havia algum modo de espaçar?… Eu me sentia preso num labirinto do qual não havia regresso. Estava impedido de prosseguir e este era meu destino, estar em algum lugar que não era a criação para a vida, mas sendo pego na roda do sofrimento… Era como se eu fosse um prisioneiro num campo de concentração e, quanto mais tentasse sair dele, mais seria batido; quanto mais lutasse para me libertar, mais apertados se tornariam os grilhões. (Grof, 1975)

As pessoas que entram em contato com experiências ruins nesse estágio do trabalho de parto as associam com sentimento de terror intoleráveis, alienação total, desamparo e desesperança. Grof distingue estes sentimentos das dificuldades encontradas o segundo estágio do trabalho de parto pela ênfase única do “papel da vítima e o fato de que a situação é insustentável, sem escapatória e eterna – não há como sair dela, quer no espaço ou no tempo”.

Parece não haver saída, mas, até numa mãe tensa, as marés inexoráveis das contrações uterinas vencerão eventualmente os relutantes músculos constritores, que agarrarão o cérvix se ela for incapaz de relaxar. Facilmente ou com dificuldades, o cérvix finalmente ficará aberto e o caminho estará livre para que o bebê desça. O segundo estágio do trabalho de parto está para começar.

De agora em diante, cada contração uterina exerce uma pressão sobre o bebê, à qual ele pode ceder à medida que, centímetro por centímetro, começa a se deslocar pelo canal abaixo. A mãe pode participar mais ativamente agora: enquanto o relaxamento era-lhe exigido no primeiro estágio, requisita-se dela, nesse momento, um esforço ativo. Segurando a respiração para ancorar o diafragma, ao “abaixar” ela pode ajudar e facilitar o processo de dar à luz o bebê.

25 Mas, de novo, há um erro perturbador no qual pode cair: os músculos do diafragma e os do assoalho pélvico são antagônicos um em relação ao outro: enquanto a contração dos músculos abdominais no “abaixamento” ajuda o parto, o assoalho pélvico é requisitado a relaxar. Muitas pessoas, particularmente aquelas que têm um caráter “agressivo e constritor”, comprimem os músculos do assoalho pélvico involuntariamente e, assim, impedem seu próprio livramento. Vellay (1959) explica o processo:

Uma mulher que empurra deste modo durante o trabalho de parto cria um obstáculo à passagem do bebê pela vagina. Esse esforço não apenas falha em preencher as necessidades do momento, mas é contrário a elas. Você não pode empurrar assim. É claro que de qualquer modo o bebê nasceu. Ele consegue transpor este obstáculo simplesmente porque as três forças juntas – a contratação do útero, o trabalho dos músculos abdominais e a pressão do diafragma – realizam uma força maior que a contração da cavidade vaginal pelos músculos do assoalho pélvico. Mas o obstáculo foi vencido à força, o que significa que a mulher tem de produzir esforços muito maiores e principalmente mais prolongados. (Velley, 1959)

Kitzinger (1972) explica que a ação dos músculos abdominais é realmente não apenas desnecessária, mais indesejável:

A ação por meio da qual o bebê é empurrado pelo canal deveria ser semelhante a um pistão, com toda a pressão sendo exercida de cima para o fundo do útero, e os músculos do assoalho pélvico completamente relaxados. Se você segurar um cilindro do papelão e pressionar uma bola de gude por ele partindo do alto (com o dedo da outra Mao realizando o papel do diafragma), a jornada será bastante dificultada se você prender o cilindro firmemente em vez de soltar a pressão. Se a parede abdominal for retesada e apertada sobre o útero, e desse modo a pressão de cima não poderá fazer efeito plenamente. (Kitzinger, 1972)

A pesquisa de Benyon (1957) sobre o segundo estágio do trabalho de parto mostrou que os nascimentos mais fáceis ocorrem quando a mãe economizou esforços musculares e não era estimulada a empurrar de qualquer forma, exceto quando a pressão para fazê-lo era involuntária. Seu trabalho começou por um estudo dos casos cardíacos, nas quais era proibido fazer força durante o trabalho de parto e que tiveram seus bebês mais facilmente como resultado. Ela escreve:

Além do mais, em quase todos os casos, um endurecimento, uma tensão reflexa, se desenvolve no períneo, e isto em si apresenta dificuldades. É uma situação muito incômoda porque, durante o parto, a cabeça do bebê deixa o útero, pressiona por trás dos tecidos do períneos e, à medida que progride, empurra todos estes tecidos na frente dele. Estes tecidos se tornam, aos poucos, consideravelmente esticados, mas apenas sob uma condição. Para que um tecido se torne esticado, ele deve 26 permanecer elástico. Agora, quando as mulheres empurram do modo errado, esses tecidos perdem a elasticidade e criam um obstáculo para o progresso da cabeça. Você pode entender porque as mulheres são dilaceradas. Esses músculos e tecidos não podem se esticar e chega um momento em que cedem a passagem. (Benyon, 1972)

Uma conseqüência disso é que alguns médicos usam a episiotomia (incisão do períneo)como medida padrão, considerada preferível ao “rasgo”. Mas ambos são evitáveis, se a mãe for ajudada a relaxar e o nascimento não for apressado. Dr. Petersen, em seu livro Experience in Obstetrics, escreve o seguinte:

Nunca fui capaz de ver nenhuma lógica nas episiotomias, e certamente não vejo utilidade para elas antes do parto. Porque, sob quaisquer circunstâncias, cortar um ponto em que os vasos sanguíneos, os nervos e os músculos devem ser rompidos? Mais de uma mulher com uma episiotomia se queixou anos depois de insensibilidade abaixo da linha do corte, como resultado de um rompimento importante de nervos… Foi apenas depois de anos de experiências dolorosas que descobri que se eu tornar o parto mais lento, dando todo o tempo para que as duas partes realizem o estiramento, deixando o períneo bem por último, não há necessidade de laceração. (Petersen)

Estamos descrevendo os resultados de um segundo estágio tenso e forçado. Como são experienciados pelo bebê? Grof compara-o à uma luta de vida ou morte, com um clima de luta titânica, mais próximo do conceito de purgatório do que de inferno. Ele vê a luta como ocupando uma zona marginal entre agonia e êxtase. É uma experiência vulcânica, em comparação com os estágios oceânicos dentro do útero. As manifestações físicas que descreve incluem:

Uma pressão enorme na cabeça e no corpo, choque, sufocação e estrangulamento; dores torturantes em várias partes do organismo; distresse cardíaco sério, alterando calafrios e ondas súbitas de calor; transpiração abundante; náusea e vômito em jato; movimentos das vísceras aumentados; pressa para urinar, acompanhada de problemas de controle esfíncter e tensão muscular generalizada, descarregada em diversos tremores, contorções, sacudidelas; solavancos e movimentos complexos de torção. (Grof, 1975)

Um relato muito completo de experiências subjetivas de revivència do nascimento foi dado por Frank Lake.

Essas experiências traumáticas não precisam ocorrer se as forças que auxiliam o descenso do bebê atuarem em harmonia. Uma força adicional pode ser usada e é surpreendente que não se tire mais vantagem dela: a força da gravidade.

Yunker (1975), num artigo sobre procedimentos de parto, descreve a posiçap gravitacional para o parto deste modo:

27 A posição natural para um nascimento humano é a de mulher agachada, ou, depois que a civilização criou a obstetrícia, sentada num assento destinado ao nascimento com as costas apoiadas. Atualmente, a posição habitual, que começou quando os médicos começaram a atender aos partos das mulheres de classe mais alta, por volta do século XVII, é colocar a mulher em trabalho de parto deitada sobre as costas, com as pernas levantadas.

Infelizmente, nessa posição a gravidade está trabalhando contra a mãe em vez de trabalhar a seu favor. O peso do útero pressiona a veia central do corpo mais baixo. Isto lentifica a pressão sanguínea da mãe que, por sua vez, pode tornar mais lento o coração da criança. A artéria principal que leva oxigênio ao bebê também é pressionada. Se a mãe estiver de lado, sentada ou andando, o sangue circula livremente. (Yunker, 1975)

Norma Casserley (1975), uma parteira que realiza partos normais e fez o parto de milhares de bebês por métodos mais naturais, trabalha regularmente com a mãe estendida sobre uma cadeira ou numa posição semi-reclinada.

Presa nas próprias costas com as pernas nos estribos é a pior posição possível para dar à luz”, diz Casseley. “As veias e artérias principais estão ao longo da espinha, e nessa posição o peso do bebê, o útero e o líquido amniótico ficam atrás. Os coágulos de sangue são freqüentes nessa posição.”

Uma mãe que pode participar harmoniosamente do segundo estágio do nascimento da sua criança não realiza uma luta titânica, embora esteja totalmente comprometida em ajudar o descenso do bebê.

Uma paciente em terapia bioenergética, uma mulher de 35 anos, casada, mãe de quatro filhos, desenvolveu juntas doloridas e dores em outras partes do corpo, especialmente na região dos ombros. Selinger (1975), o terapeuta, descreveu o modo como seus estados de medo e pânico aumentaram com palavras chorosas. Eis como descreveu o que ocorreu depois:

Um mês atrás ela confessou, com algum embaraço, um sentimento que vinha tendo há dois meses. O sentimento era quase uma visão; ela estava para entrar num tubo negro muito assustador. “Parece loucura, mais isto é o que me deixa tão doente.” Durante a investigação posterior, ela começou a “ver” que o tubo tinha uma pequena abertura na outra ponta e que havia luz nessa abertura.

Os comentários me trouxeram à mente os artigos de Nandor Fodor (Psychiatric Quarterly, 1946) e seu livro Search for the Beloved (Hermitage Press Inc., Nova York, 1949) uma investigação clínica do trauma de nascimento e condicionamento pré-natal. Também me lembrou das minhas experiências com a análise por hipnose durantes as quais, na regressão, alguns pacientes espontaneamente se sentiam em cavernas escuras com água e aberturas com luz brilhando através delas, reexperienciando o que os pacientes e eu acreditávamos ter sido um trauma de nascimento. Reviver as experiências era de grande benefício para os pacientes.

Esses pensamentos e lembranças me conduziram a pedir à paciente que se deitasse de costas sobre a cama, com os joelhos levantados. Sentei na borda da cama segurando sua cabeça entre as mãos e pressionando levemente de ambos 28 os lados. O seu vértice, onde costumavam ficar as fontanelas, estava muito dolorido, uma condição que ela nunca experienciara quando eu havia trabalhado nela antes. Encorajei-a a entrar no tubo. Ela se sentiu entrando lentamente dentro dele e se movendo em direção à abertura. Estava assustada e sentiu uma grande dor na cabeça. Continue encorajando-a à medida que aplicava uma pressão maior sobre a cabeça. Depois de dois ou três minutos, começou a sentir uma grande força nas pernas empurrando o corpo em direção à abertura. Ficou aterrorizada. À medida que eu girava sua cabeça, senti a mesma força na paciente enquanto ela continuava empurrando na minha direção, sua cabeça saindo da cama e para baixo em direção ao chão. Enquanto que eu sustentava sua cabeça, seus movimentos corporais me trouxeram à memória partos que eu havia realizado.

De repente, ela relaxou completamente, se pôs sobre os cotovelos lentamente e então sentou-se, sorrindo e parecendo muito satisfeita. Ela retomou sua experiência passo a passo, ficando especialmente impressionada pela força que sentiu no seu corpo à medida que empurrava a si mesma para fora do tubo e dentro da luz. Não sentiu mais dor e pressão na área do vértice. Ela saiu do consultório de bom humor, algo que não ocorria há muito tempo.

Os Ritter (1954), num artigo importante sobre nascimento, ressaltaram i prazer associado ao nascimento saudável e resumiram as seguintes características semelhantes entre nascimento e orgasmo:

  1. A natureza involuntária dos movimentos, isto é, as contrações e convulsões envolvendo todo o organismo.
  2. A tensão e a carga ascendentes constatadas apenas na mãe, pela natureza das coisas.
  3. O alívio e prazer intermediários marcantes e notáveis experienciados entre as contrações, correspondendo aos picos menores da excitação no fazer amor.
  4. O êxtase sentido depois do ápice do coroamento.
  5. A mesma ansiedade e medo da morte, irrompendo e cindindo, como na ansiedade extrema da cópula durante o orgasmo das pessoas incapazes de suportar o prazer total.
  6. Os rostos totalmente radiantes, pulsando e satisfeitos da mãe e da criança depois de um nascimento saudável (transfiguração, como Dick-Read chamou) tão evocativos das faces dos amantes depois de uma união desinibida; ou o anticlímax neurótico altamente deprimido do nascimento não-saudável, que corresponde aos resultados da relação sexual inibida. (Ritter, 1954)

Um dos acontecimentos do parto natural é que ele pode induzir com freqüência ao orgasmo na mãe quando ela está dando à luz: “Ao eliminar a dor e no ambiente agradável do lar, é importante para mãe esquivar-se dele”, afirma Casserley (1975): “Ao passar pelo canal, um bebê toca e estimula as mesmas áreas que são estimuladas na relação sexual.”

Mas é mais que isso. Estamos lidando, como os Ritter mostraram no seu clássico artigo, com a superposição e clímax e dois sistemas de energia. Wilhelm 29 Reich lembrou-nos há muito tempo que o feto era outro sistema de energia dentro da mãe. Os Ritter descrevem novamente o processo do seguinte modo:

As convulsões de “eu quero sair” do feto são uma força, e as convulsões do “eu quero que você saia” da mãe, outra. As primeiras agem de dentro do útero no primeiro momento e podem ser deduzidas ou observadas como uma ação positiva pelo feto durante o parto, particularmente no coroamento da cabeça. A força o “eu quero que você saia” é a pressão involuntária das contrações dos músculos uterinos em conjunção com as forças auxiliares. O ponto de encontro é o períneo. Diagramaticamente, as duas forças representam dois braços de espiral superpondo-se e fundindo-se neste ponto. A urgência para sair e os esforços para empurrar a criança para fora atingem um clímax. A tensão, no seu ponto mais alto, é seguida após o coroamento por um tremendo relaxamento nos dois sistemas, primeiramente fundidos e posteriormente como dois organismos separados.

Este nascimento, que pode ser uma experiência orgástica tanto para a criança assim como para a mãe, também é confirmado por lembranças subjetivas na terapia pré-verbal. Muitas pessoas que reviveram seu nascimento descrevem sentimentos de correntes poderosas de energia percorrendo todo o corpo. Um dos pacientes de Grof (1975) descreveu a sua re-experiência de parto com as seguintes palavras:

Tornou-se muito claro para mim que não havia diferenças entre sexo e o processo de nascimento, e que os movimentos de deslizamento do sexo eram idênticos aos movimentos de deslizamento do nascimento. Aprendi facilmente que cada vez que a mulher me apertava, eu tinha simplesmente que permitir e deslizar para o lugar onde ela me empurrava. Se eu não me esforçasse e não lutasse, o aperto se tornava intensamente agradável. Às vezes eu me preguntava se haveria um final sem saída e se eu iria sufocar, mas cada vez que era empurrado e meu corpo se contorcia fora da forma, eu deixava acontecer e deslizava facilmente para onde estava sendo mandado. Meu corpo estava coberto com o mesmo muco viscoso que antes, durante a sessão, mas não era mais um pouco nojento. Era o lubrificante divino que tornou tão fácil abrir caminho e ser empurrado e guiado. Por várias vezes tive a experiência de que “isto é tudo que há para isso” e “é tão incrivelmente simples” que todos os anos de luta, de dor, de tentativa de entender, de tentar elaborar eram todos absurdos e que todo o tempo esteve bem aqui na minha frente; que era muito simples. Você simplesmente deixa acontecer e a vida te aperta e te empurra e te facilita e te guia através desta jornada.

A mãe que puder participar plenamente do clímax convulsivo do reflexo de orgasmo estará mais bem preparada para o impulso energético do reflexo de expulsão. Ela da à luz. O bebê não é tirado dela. Permite-se que o bebê, como o orgasmo, chegue.

Silvert (1955), um colega de Reich que estava particularmente preocupado com as condições de um nascimento sadio, escreveu o que segue sobre o parto satisfatório:

30 O encorajamento constante da mãe para que ceda às suas contrações conduz a um progresso gratificante do bebê através do canal. É especialmente admirável a resposta do feto, em termos de sua taxa de batimento cardíaco e movimento, às contrações suaves semelhantes às ondas, em contraste com as contrações que não apresentam esta qualidade… A mãe capaz de ceder ao processo de nascimento se segura levemente a uma parede acima do peito para se sustentar, o cotovelo dobrado e relaxado. A cabeça cai para trás e o peito desce suavemente à medida que Lea respira, a pelve vem para a frente num movimento sugestivo de rendição sexual, joelhos dobrados e suspiros suaves surgem na boca parcialmente aberta. A cor é rosa, os olhos brilham e os pensamentos são igualmente expressivos: “Porque isto é bom como sexo. Estou realmente gostando. Por que as pessoas não sabem disso? É maravilhoso. Estou tão feliz.” (Silvert, 1955)

Se o clímax do coroamento é o ato final no processo do parto, é também o primeiro momento no processo de chegada. O bebÊ abre os olhos pela primeira vez, se prepara para aterrissar.

CHEGADA: o estabelecimento do recém-nascido

Uma criança ao nascer faz transição entre dois mundos: o amniótico e o terrestre – o mundo de quase ausência de peso e fluidez e o mundo da gravidade e da solidez. A última vez em que ele fez uma aterrissagem, era um zigoto microscópico de apenas uma semana de idade, plantado na parede uterina. Aquela primeira aterrissagem era uma implantação, um deitar de raízes. A aterrissagem que ele faz agora envolve um desenraizamento radical: o sistema de raízes do bebê, a placenta, que foi a única fonte de alimentação durante a sua existência depois da primeira semana, está morrendo. A mudança de existência é quase total, tão dramática quanto a mudança do oceano para a terra na evolução, e isto levou milhões de anos para terminar, O bebê transita em menos de um quarto de hora. É deste modo que Schwenk (1965) a descreve:

A criança antes do nascimento está num envoltório protetor de água, antes da sua entrada final dentro da esfera da atividade terrestre. Embora dentro de uma esfera, ele modela a sua forma ainda líquida, que se torna gradualmente mais condensada. Ao nascer, deixa o espaço esférico da água e entra numa relação com as forças direcionais da terra. Quanto mais ele cede a essas forças, mais o seu corpo se torna solidificado, o que é essencial para ficar de pé e aprender a andar. (Schwenk, 1965)

O paralelismo entre a vida no útero num modulo espacial foi descrito por muitas pessoas, mas foi particularmente bem capturado no poema “Cosmonauta” de Geoff Roberts:

31

Atemporal, sem peso

Flutuo livremente na órbita

Confortavelmente encapsulado

Na escuridão com ar-condicionado

Seguramente isolado

Mas com os meus delicados instrumentos de precisão

Esperando para serem usados

Todos os cinco

Preso ao sistema de intercomunicação, aquecido, alimentado,

Ouvindo o bombeamento

Do mecanismo,

Flutuando livremente na órbita, a cabeça

Para baixo, esperando pelo empurrão

E deixando para outro alguém

Todas as considerações

Dos problemas da reentrada

No final dos nove meses

Eis como uma criança de onze anos expressou sua percepção da emergência do mundo das águas:

O bebê escorrega para fora da mãe como uma lontra desliza da água. Quando o bebê está fora da mãe, está tão viscoso como um pedaço de alga marinha, As mãos estão enroladas como conchas do mar cheias de água. As costelas fazem com que pareça como se ele tivesse uma gaiola de pássaro comprida dentro dele. Os olhos são como ostras fechadas. O cordão é tão enrolado quanto uma trepadeira, com uma torção de veias leitosas e vermelhas. O cabelo é tão liso quanto uma capivara. Ele abre a boca e deixa sair seu primeiro som. Ele parece muito novo e lustrado. (Bowditch, 1971)

Pelo menos quatro transições diferenciadas estão em curso, e cada transição pode ser experienciada como uma expansão prazerosa ou um choque catastrófico, de acordo com o modo pelo qual a chegada do bebê será manejada.

A transição sensorial

A criança sai da obscuridade e entra num mundo de luz ofuscante. Deixa um mundo no qual, se não havia silêncio, pelo menos todos os sons eram diluídos pelo efeito de amortecimento da água, e penetra num mundo de sons ensurdecedores. Frederich Leboyer, no seu poema em prosa Brith without Volence, mostra a importância de luzes parcialmente obscurecidas e sons abafados no começo das suas recomendações para a humanização e sensibilização das 32 condições nas quais o recém-nascido chegam se quisermos evitar um choque desnecessário ao sistema sensorial. Pois os olhos podem sentir-se queimados por uma luz excessiva, assim como os ouvidos podem se sentir agredidos pelo barulho demasiado.

O líquido amniótico está na temperatura do sangue. A sala de parto média não tem provavelmente uma temperatura maior que 70ºF. A queda de temperatura é da ordem de 30º. Os processos de regulagem da temperatura no cérebro são disparados pelo ato do nascimento, mas passam-se muitas semanas antes que se tornem eficientes. O perigo de hipotermia é real para alguns bebês, Leboyer recomenda dois modos de reduzir o choque da queda de temperatura no recém-nascido: a colocação da criança com o rosto contra a pele do abdome da mãe imediatamente depois do nascimento e o uso de um banho quente como uma experiência sensorial aprazível. Leboyer (1975) escreveu:

Vamos colocar ou, melhor dizendo, recolocar a criança dentro da água. Pois o bebê emergiu da água, as águas maternas o carregaram, acariciaram e embalaram. Torne-o leve como um pássaro. Foi preparado um banho numa bacia. Na temperatura do corpo ou ao redor dela 98º ou 99ºF. Colocamos a criança dentro dela. Novamente com extrema lentidão. À medida que a criança afunda, torna-se sem peso e é libertada do corpo que o está esmagando – este corpo, bem como toda a sua carga de novas e rudes sensações. (Leboyer, 1975)

As vantagens de se colocar o bebê recém-nascido imediatamente em contato com o abdome da mãe são muitas: primeiramente, isto pode ser feito antes que se corte o cordão umbilical. Depois, é o lugar mais seguro em que o bebê pode estar, barriga contra barriga com o corpo que o encerrou por toda a sua existência até aquele momento.

Que melhor lugar poderia haver, Leboyer pergunta. “A sua barriga com o formato e dimensões exatas da criança. Dilatada pouco antes, oca agora, a barriga parece ficar ali esperando como que o próximo. E o seu calor e flexibilidade, à medida que sobre e desce com o ritmo da sua respiração, a sua maciez, a vida irradiando das suas peles, tudo se une para criar o melhor lugar de repouso para a criança” (id.,ibid.).

A pele é o maior órgão no corpo e oferece a maior área a experiência sensorial. Pelas experiências primitivas do contato da pele, a criança aprenderá em que mundo entrou: o que acaricia e aquece ou aquilo que a enregela. Janov (1973) sugeriu que a sensibilidade à temperatura na vida posterior pode depender parcialmente dessas experiências primitivas.

Pode bem ser que o parto difícil mais o choque da queda de temperatura no nascimento prejudiquem permanentemente o funcionamento adequado dos mecanismos de controle da temperatura, de modo que a pessoa fica depois acalorada ou friorenta.

33

A transição circulatória e o nascimento da respiração

Nos dez meses anteriores, a criança foi oxigenada com o ar que a mãe respirou. Para o resto da sua vida, ela respirará o próprio ar. Embora seu coração estivesse bombardeando o próprio sangue pelo corpo desde os 25 dias após a concepção, muito pouco foi para os pulmões e uma grande quantidade passou pela placenta. Tudo isso deve mudar agora.

As mudanças que ocorrem no sistema circulatório nos primeiros poucos segundos e minutos depois do nascimento são revolucionárias. O sistema vascular deve ser recanalizado. A melhor maneira de entender é olhar cuidadosamente para o que está acontecendo nos quatro compartimentos do coração antes e depois do nascimento.

Antes do nascimento, na circulação placentária, o coração recebe e expele o sangue como se segue:

Ventrículo esquerdo: quando este ventrículo se contrai, dirige o sangue através da aorta e pelo corpo do feto; mas uma grande proporção do fluxo descendente caminha através das duas artérias umbilicais para a placenta, onde é reoxigenado.

Aurículo direito: este compartimento do coração coleta o sangue que retorna a partir de duas fontes: o corpo do feto e a placenta. O sangue recentemente oxigenado que volta da placenta flui através da veia umbilical, passando para o coração quer pelo fígado, quer por um desvio da conexão principal do corpo, chamado duto venoso.

Ventrículo direito: este toma parte do sangue que sai e dispõe dele da seguinte forma: um fio flui através das artérias pulmonares para os pulmões, mas a maioria flui através de outro fio, o duto arterioso, para se unir ao fluxo principal da aorta para o corpo.

Aurículo esquerdo: apenas um fio entra nos pulmões, pela veia pulmonar.A maior parte do suprimento entra no aurículo direito através de uma abertura membranosa entre os aurículos, o forâmen oval (se este permanecer completamente aberto depois do nascimento, formará o “sopro no coração”).

Depois do nascimento, os impulsos reflexos de vasodilatação abrem o fluxo vascular para os pulmões e, ao mesmo tempo, os impulsos reflexos de vasoconstrição fecham o duto arterioso. O efeito disso é aumentar a pressão do sangue fluindo no aurículo esquerdo a partir dos pulmões. As artérias umbilicais também se contraem, reduzindo a pressão do sangue entrando no ventrículo direito através da placenta. Esses dois efeitos conduzem a pressão no aurículo esquerdo a exceder a do aurículo direito, e isto fecha a membrana entre os aurículos, o que, alguns dias depois, se solidifica como uma barreira permanente entre os dois Laos do coração.

O primeiro grito da criança expande os pulmões e põe essas mudanças circulatórias reflexas em movimento. Elas são rápidas, mas não instantâneas. O cordão pode continuar pulsando por diversos minutos depois do nascimento. 34 O fluxo final de sangue da placenta corre de volta para o corpo nascido do bebê. Se o cordão for cordato antes que tenha parado de pulsar, a criança experienciará um choque duplo: um choque circulatório e um choque respiratório. O choque circulatório provém do sangue ainda pulsando na artéria umbilical que está sendo desligada, criando o que R. D. Laing denominou efeito de “lavagem para trás”, uma pressão posterior na circulação geral do corpo efetuando um estresse desnecessário no funcionamento recente do coração. O corte das poucas últimas pulsações do fluxo da placenta na veia umbilical priva o bebê de um oxigênio valioso e pode diminuir o número de células vermelhas em circulação. O choque respiratório surge da necessidade de aspirar todo o oxigênio de uma vez através dos pulmões recém-expandidos.

Leboyer (1975) explica isso da seguinte forma:

Dois sistemas funcionando simultaneamente, um auxiliando o outro: o velho, o umbilical, continua suprindo oxigênio para o bebê até que o novo, os pulmonar, tenha assumido plenamente o seu lugar.

No entanto, uma vez que o bebê tenha nascido e saído da mãe, ele permanece ligado a ela por esse cordão umbilical, que continua a bater por diversos longos minutos: quatro, cinco, às vezes mais.

Oxigenado pelo cordão umbilical, protegido da anoxia, o bebê pode se acomodar à respiração sem perigo e sem choque. Descansado, sem pressa.

Adicionalmente, o sangue tem todo o tempo para abandonar seu velho caminho (que conduz à placenta) e preencher progressivamente o sistema circulatório pulmonar.

Durante esse tempo, de modo paralelo, um orifício se fecha no coração, que sela o velho caminho para sempre.

Em síntese, em média por quatro ou cinco minutos, o recém-nascido navega em dois mundos. Conduzindo oxigênio de duas fontes, ele se liga gradualmente de um ao outro, sem uma transição brutal. Mal se ouve um grito. (Leboyer, 1975)

Os que viram um bebê nascendo pelo método Leboyer, ao vivo ou num filme, terão notado como, em vez de um choro com distresse, envolvendo um uso instantâneo plenamente alimentado de sangue dos pulmões, não dando tempo aos tecidos sensíveis para se aclimatar aos sopros ressequidos de ar, a respiração do bebê chega a isto lenta e hesitantemente. Ele provê pequenas quantidades de prazer; as ondas da sua respiração são redemoinhos e pequenas ondulações, em vez de vagalhões.

Se a experiência do parto tiver sido traumática, como é para muitas crianças, maiores são as razoes para que as condições de chegada e transição sejam as mais suaves, calmas e harmoniosas possíveis. Não há nada melhor do que o notável livro de Leboyer, com sua ênfase nas qualidades de gradação do toque e do manuseio, e o respeito total pela sensibilidade do recém-nascido. Para ele, a chegada de cada bebê é a verdadeira natividade.

35

A transição gravitacional

Leboyer (1975) chama assim esse quarto passo na trajetória do nascimento, quando o bebê recém-nascido entra em contato com a terra firme. Eis o modo como descreve este momento:

Deixando a água, o bebê encontra um outro professor, um outro tirano: o peso da gravidade, o novo peso do seu próprio corpo.

Por nove meses o bebê foi um eterno viajante: o seu mundo em mutação nunca parou de mover-se. Às vezes gentilmente, às vezes violentamente. O corpo da mãe não estava sempre em movimento? E mesmo quando ela estava quieta ou adormecida, sempre havia o grande ritmo da sua respiração, do seu diafragma. O bebê viveu em movimento perpétuo. Agora, uma mudança verdadeiramente aterradora, tudo pára. Pela primeira vez. Nada se move. O mundo congelou, morreu. É o desconhecido. (id,.ibid)

O modo como esta experiência de contato com o solo é sentido dependerá da maneira como introduzimos a criança no solo. Para alguns, é uma experiência de completo abandono e desolação. A criança se sente assustada pela vastidão do espaço com a gelitude do solo. Ele se sente como caindo aos pedaços. Esta é a base da sensação de agorafobia, o medo de espaços abertos, de não ter limites, sem útero, exatamente contrária à experiência claustrofóbica, que é a de estar superconfinado e comprimido, preso no útero antes do nascimento. No entanto, se a criança for introduzida em terra firme gradualmente, como sugeriu Leboyer, a experiência pode ser insólita. Eis algo firme e que não cede, que ela aprende a empurrar. Contra sua solidez, ela testa os ritmos da vida do seu próprio corpo e aprende a distingui-los dos ritmos de vida de outras pessoas. As pessoas que de alguma maneira não têm uma base firme, esquivando-se de testar a sua força contra a solidez do solo, refreando a sua agressão, tendem a ter fronteiras do ego deficientes, a ser inseguras de onde começam e a outra pessoa terminar. Elas são invadidas mais facilmente.

Na criança pequena, esse sentido de gravidade está relacionando à experiência de cair. Se ela for pega com segurança e embalada ou levantada e abaixada, os movimentos de ausência de peso temporários recapturam as sensações de estar sendo embalada nos fluido uterinos dentro da mãe. Brincar com a gravidade é então semelhante a voar.

A criança insegura, por outro lado, tem medo de cair. A gravidade é um susto, o solo é o lugar do abandono, ou a superfície dura na qual irá bater se for jogada. Nenhuma criança pode cair dentro do útero. Mas pode cair fora dele. O medo de cair conduz a uma concentração organísmica, ao congelamento das sensações de correntes de energia e correntes aprazíveis no corpo, e à impressão dos reflexos primitivos de sobressalto que subjazem a todos os padrões posteriores 36 de tensão neurótica. Eis o modo como Wilhelm Reich (1948) descreveu a ansiedade de cair numa criança de três semanas:

O final da terceira semana de vida havia uma ansiedade aguda de cair. Ocorreu quando a criança foi tirada do banho e colocada de costas sobre a mesa. Não ficou imediatamente claro se o movimento de deitá-la foi muito rápido, ou se o esfriamento da pele precipitou a ansiedade de cair. De qualquer maneira, a criança começou a chorar violentamente, colocou os braços para trás como que para conseguir apoio, tentou trazer a cabeça para frente, mostrou uma ansiedade intensa nos olhos e não podia ser acalmada. (Reich, 1948)

No dia seguinte, Reich notou que a lâmina do ombro direito e o braço direito estavam recuados e menos móveis que o braço esquerdo. Durante sua ansiedade, a criança estava apertando os músculos como que para manter o controle.

Reich relaciona que está acontecendo com o desvio súbito da bioenergia (orgone) da periferia do corpo em direção ao centro:

A sensação de queda é a percepção interna imediata da imobilização da periferia do corpo, da perda de equilíbrio. Segue-se que o equilíbrio do corpo no campo da gravidade é uma função da pulsação orgonômica plena a periferia do sistema orgonômico. (id,.ibid.)

As implicações plenas de ansiedade de cair serão desenvolvidas em outro contexto. No momento, basta estabelecer padrões básicos no modo como ela mantém seu corpo, a sua organização muscular, à medida que resiste e se opõe ou se rende à gravidade.

A transição alimentar

A quarta transição crucial é a transição alimentar, quando a criança toma sua primeira alimentação externa e seu sistema digestivo aprende a funcionar suavemente. Esta é uma transição mais duradora, que pode levar semanas para se efetuar. Sua realização é referida habitualmente como o estabelecimento. Enquanto a conexão umbilical assegurava um suprimento constante de alimentação, o bebê recém-nascido tem apenas uma conexão temporária: o acoplamento da boca e do mamilo. A criança deve aprender a coordenar os movimentos de beber e respirar para não engasgar e levar leite aos pulmões, ou desenvolver dor de estômago levando ar aos intestinos. Suas tendências de auto-regulação podem funcionar apenas na presença de uma mãe suficientemente sensível aos seus próprios ritmos para ajustar o fluxo de alimentação à demanda, aprendendo a distinguir o choro de fome do choro de desconforto, devido talvez a gases. O distresse nesse período é tão comum que é conhecido como “a cólica dos três meses”. 37

O pediatra neozelandês Bevan-Browne descreveu como a relação de aleitamento é a primeira experiência realizada pelo bebê, na qual ele tem de procurar ativamente a fonte de alimentação e prender-se a ela. O termo “enraizado”, que descreve os movimentos da cabeça do bebê de um lado para o outro enquanto busca o bico do seio, enfatiza que ele está restabelecendo, por meio da boca, o enraizamento que estava garantido para ele dentro do útero, pelo cordão umbilical. Escreve Bevan-Browne (1950) :

Chamamos este instinto ou tendência, uma tendência copulativa. Isto pode ser observado nas criaturas tão antigas quanto o protozoário… Nos mamíferos e no homem essa tendência copulativa é de suprema importância nos primeiros meses de vida. Estamos buscando mostrar que a criança tem uma necessidade urgente de copular com uma pessoa, a saber, a mãe, por intermédio do mamilo e da boca; e isso precisa transcender a mera necessidade de sustento químico. Em outras palavras, sugar é uma experiência sensual que inclui:

  1. Sensações intensas derivadas do contato dos lábios, língua e palato com o bico do seio.
  2. Sensações oriundas do contato do nariz e da face com o peito.
  3. Sensações gerais de maciez e calor.
  4. Sensações de ser envolvido, apoiado e pego ou abraçado.
  5. Odores corporais da mãe.
  6. Sensações de satisfação na boca, faringe, esôfago e estômago, por receber o leite quente.
  7. Sons de qualidade apropriada pela mãe.
  8. Sensações nas mãos da carícia, pressão e afago do peito.
  9. Impressões visuais da expressão facial da mãe.

 

As crianças que têm a sorte de experimentar a alimentação no peito neste sentido pleno e plenificador mostrarão com freqüência uma resposta corporal total, que é o protótipo do orgasmo no adulto: o reflexo de sucção se desenvolve em tremores de todo o corpo, braços e pernas – um orgasmo oral.

Biólogos do Peckham Health Centre reconheceram as sutilezas do processo de aprendizagem em relacionar não apenas o estado emocional da mãe, mas a entrada de alimentação externa. Eles escrevem:

Uma vez nascida, a criança deve alimentar, através do seu próprio canal de alimentação, todos os órgãos que estão formados e prontos para uso no momento do nascimento. Mas ela não pode dominar instantaneamente o uso desses órgãos, não mais do que, quando nasce, pode usar imediatamente suas pernas para andas ou seus olhos para ver. É um aprendiz desde o momento do nascimento, assim como foi um aprendiz no útero. A criança deve ainda aprender o processo de assimilação do leite através do seu aparato de alimentação. Este, portanto, um dos primeiros sinais que o biólogo procura na vida do recém-nascido, o seu estabelecimento, significa por isso que ele dominou o processo de digestão do leite de sua mãe. 38

O estabelecimento é reconhecido pelo aspecto geral da criança que perde o que às vezes é um semblante ansioso e sempre preocupado e adquire a serenidade. O corpo se dilata; a pele agora se ajusta à sua figura minuciosamente; os olhos se abrem amplamente quando ela está desperta e, como um filhote de cachorro satisfeito, ela dorme profunda e serenamente nos intervalos. (Pearse, 1943)

Um bebê recém-nascido satisfeito altera períodos de sucção a períodos de sono, mas experiência também que qualquer processo é atemporal. O acoplamento ao peito é um processo ativo-receptivo – capaz de estabelecer o fundamento para o contato e o fim do contato na vida posterior. Período de imersão no fluxo de leite e o contato com o peito se alteram com períodos acordados de contato geral e manejo com a mãe, que são simplesmente básicos para o desenvolvimento de um sentido de self bem enraizado. Diz-se que o contato com a mãe pelos olhos freqüentemente não se desenvolve até pelo menos quatro semanas depois do nascimento, mas o trabalho de Leboyer sugere que pode estar presente muito mais cedo. Este é o modo como Miriam Dror descreveu os olhos da sua filha Alissa:

Senti um corpo escorregadiço maravilhoso cheio de vida vindo para fora, e ali estava ela no topo de mim levantando-se sobre as pequenas mãos e olhando direitamente nos meus olhos como eu nunca havia sido olhada antes. E é este olhar que eu ainda tenho de capturar em palavras. O entanto, ela ainda não havia tomado um sopro de ar do mundo, ainda estava conectada ao meu corpo e respirando através do cordão, mas… com uma sabedoria muito além da compreensão. O olhar firme e firmemente dirigido fez com que eu parasse de repente. Estou certa de que me coração pulou um pouco e que nós duas paramos no espaço fora do tempo para aquela breve troca.

Dores da transição

As transições mencionadas até agora são básicas para o sentido emergente de si da criança recém-nascida fora do útero. Elas podem ser experiências que alimentam e preenchem o corpo do nascido bebê ou experiências que o estressem e o dobrem em nós de tensão e lamentos de dor e sofrimento.

Uma paciente de Francis Mott teve um pesadelo no qual vivenciou quatro medos específicos:

  1. O pavor do relâmpago de luz.
  2. O pavor do soar do trovão.
  3. O pavor dos ventos acelerados.
  4. O pavor da água arremessando ondas nervosas através de uma fenda nas colinas de areia.

Mott (1948) comenta sobre a origem biológica desses medos da seguinte forma: 39

A razão pela qual ela permaneceu tão amplamente “não-nascida” é que reagiu com medo demasiado à abertura dos orifícios da sua cabeça no nascimento. Ela temeu a luz nos olhos, o som nos ouvidos, a respiração nos pulmões e a comida na sua boca. Esses medos que foram redespertados pela tempestade. O relâmpago evocou novamente o medo da luz no olho. O trovão redespertou o medo do som no ouvido. Os ventos acelerados redespertaram o medo do leite precipitando-se na boca. Minha paciente, em síntese, nunca se abriu para a recepção livre e sem medo do mundo, e, desse modo, manteve-se um indivíduo fetal. (Mott, 1948)

Mott construiu toda uma teoria do desenvolvimento humano – que chama biossíntese – a partir dos seus insights sobre a natureza das transições do útero para o mundo externo. Pois se o enraizameto básico de uma pessoa no mundo se transforma numa experiência chocante ou traumática, de modo que os órgãos de contato são apenas hesitantemente estendidos, a base da segurança no mundo, o próprio corpo – ou o corpo dos outros – é solapado, enfraquecido ou destruído.

Antes do nascimento da linguagem, antes que qualquer palavra seja dita, o sentido básico de identidade, ou a sua ausência, já está formando. Ele flui da matriz das pulsações umbilicais que param quando o cordão é cortado e substituído pelos ritmos da respiração e da sucção. É acariciado no ser pelo contato da pele sobre a pele, que substitui o movimento do fluido do útero pela lanugem, e é elevado e aprofundado pelo acender dos olhos no prazer e pelos sons rítmicos da voz acariciando o seu ouvido. Nasce fora dos movimentos espontâneos do corpo que o contiveram por nove meses nos fluidos protetores do útero, agora esticado e experienciando a finalidade imensurável e a solidez da terra, as tensões e relaxamentos dos músculos reagindo à gravidade.

A criança recém-nascida chegou à terra e é manejada pelos seus pais. O relacionamento social complexo desta parte específica do mundo está à sua volta, mas ela não está atenta a ele ainda. Despido de cultura, ela espera pelo processo de condicionamento que conduzirá à formação do caráter.

Referências bibliográficas

BENYON, Constance. “The normal second stage of labour”, Journal of Obstetrics and Gynaecology, Vol. 64, Nº6, December 1957.

BEVAN-BROWNE, M. Sources of love and fear, Wellington, Nova Zelândia 1950.

BOWDITCH, Valerie. “Beginnings”, in Handfuls of Light, Abbotsbury 1971.

CASSERLEY, Norman. Live-News, 22nd January, citada em 1975.

DICK-READE, Grantley. Revelation of childbirth, Heineman, 1946.

Grof, Stanislav. Realms of the human unconscious, Viking Press, 1975

HARTMAN, Otto. Dynamische Morphologie, Frankfurt, 1959.

HOWE, E. Graham. Cure or heal? Allen and Unwin, 1966.

JANOV, Arthur The feeling child, Simon and Schuster, 1973.

KELEMAN, Stanley. Your body speack its mind, Simon and Schuster, 1975. (Publicado pela Summus Editorial sob o título O corpo diz a sua mente)

KITZINGER, Sheila. The experiencie of childbirth, Penguin 1972.

LAING, R.D. The facts of llife. Allen Lane, 1976.

LEBOYER, Frederich. Birth without violence, Nova York, 1975.

LILEY, A. W. The foetus as a personality, School of Obstetrics and Gynaecology, University of Auckland, Nova Zelândia.

LUCE, Gay Biological rhythms in human and animal physiology, Do Publications, 1971.

MONTAGU, Ashley Touching, Harper and Row, 1971. (Publicado pela Summus Editorial sob o título Tocar)

MOTT, Francis Bio-synthesis, Filadélfia, 1948.

NILSSON, Lenard ET al. The everyday miracle, Allen Lane, Londres, 1967.

PEARSE, I. e Crocker, L. The Peckham Health Experiment, Allen and Unwin, 1967.

PETERSEN, Fred Experiences in obstetrics.

REICH, Wilhelm “Falling anxiety in an infant of three weeks”, in Cancer Biopathy, Orgone Institute press, 1948

RITTER, Paul e Jean “An orgonomic functionalist theory of birth”, Orgonomic Functionalism, vol. 1 nº2, March, 1954

SCHWENK, Theodore Sensitive Chaos, Londres, 1965.

SELINGER, Zeling From Newsletter of the Institute of Bio-energetic Analysis, nº 3, September, 1975.

VELLAY, Pierre Childbirth without Fear, Hutchison, 1959.

YUNKER, Barbara “Delivery `procedures that endanger a mother’, life”, Good Housekeeping, August, 1975

Encarnação: a vida no útero

David Boadella*

Para formar o corpo de uma nova pessoa, as células germinativas que se encerram nos tecidos dos pais primeiro devem ser libertadas para poder flutuar livremente. Esses são eventos explosivos e extáticos. A ovulação, como pode ser observada num filme microbiológico, é um processo espetacular, de tirar o fôlego: a visão do folículo maduro rebentando para expelir o futuro óvulo causa palpitações de assombro e admiração naqueles que o vêem. O próprio orgasmo, durante o qual o esperma é lançado pela ejaculação a distâncias centenas de vezes maior do que seu próprio comprimento para começar sua jornada, é capaz de espalhar uma onda de choque de excitação em todos os tecidos do corpo.

O espermatozóide e o óvulo, pontinhos microscópicos do plasma do embrião e portadores de uma história pré-histórica, começam a nadar um em direção ao outro. O óvulo flutua pelo canal do oviduto e é transportado pelas ondas peristálticas e o bater dos cílios que revestem o tubo. Cerca de 400 milhões de espermatozóides nadam contra a corrente, como salmões em miniatura forçando seu caminho rio acima. A corrente de muco se dilui e se torna mais fluida.

Se uma gota de muco for colocada numa lâmina de vidro e esquentada cuidadosamente, serão vistos ao microscópio padrões mais ou menos regulares à medida que o muco secar. Estes padrões atingem seu ponto máximo na ovulação quando o muco fica mais delgado, aguado, podendo ser facilmente penetrado pelo espermatozóide. (Nilsson, 1967)

10 Os padrões cristalinos, ao microscópio, se parecem com folhas de samambaia, ramos de coral, fragmentos de flocos de neve. “Eles estão oscilando constantemente e suas linhas de sustentação tornam-se frouxas por um momento.” Então, um espermatozóide pode aproveitar a oportunidade para nadar no espaço livre à frente o mais rápido possível. É bastante parecido com um “corredor polonês”. Quando se é tão pequeno quanto um espermatozóide, deve-se prestar atenção às moléculas e às suas posições. A penetração do espermatozóide no muco cervical é muito semelhante ao progresso de uma frota de barcos que sobe em um rio cheio de troncos invisíveis. (id., ibid.)

A corrente de muco que transporta esse cardume fantástico do espermatozóide não somente os alimenta, como parece também lhes abrir o apetite. Algum componente das secreções lhes fornece energia e os atrai em direção ao óvulo. O primeiro dos cerca de 400 milhões a entrar em contato com a membrana gelatinosa do óvulo gera uma resposta: a membrana parece formar um cone e tornar-se macia o suficiente para permitir ao espermatozóide dianteiro que adentre ao fluido interior da célula. Tão logo ele tenha entrado, a membrana torna-se impermeável para os espermatozóides remanescentes, que tentam abrir caminho de todos os lados.

* Formado em neuropsicologia e embriologia na Open University, trabalhou muitos anos como orientador em psicologia humana na Antioch University Internacional. É o criador da Biossíntese e editor da revista Energia e Caráter.

O zigoto que flutua livremente, mas ainda não foi fertilizado, continua a sua lenta viagem pelo oviduto. Depois de cerca de trinta horas, ele terá alcançado sua primeira divisão em suas células. Stanley Keleman escreveu:

Se você vir uma célula se dividindo, perceberá primeiro que a célula está excitada, vibrando. Você vê a formação de dois pólos, duas áreas de atividade interna intensa. Você realmente vê a difusão entre um pólo e outro, e o alinhamento dos corpos dos cromossomos dentro deste corpo. A difusão entre os dois pólos se intensifica até que se torne uma pulsação, e, depois, uma corrente. A corrente comunica a informação mais profunda sobre a vida – como fazemos quando nos comunicamos. Somos todos harmonizados por padrões de excitação, queríamos ou não. (Keleman, 1975)

Gastemos uns poucos minutos tentando alcançar a simplicidade do projeto que realça a estruturação complexa do organismo humano. Do óvulo ao feto completo, haverá cerca de quarenta divisões celulares. Durante a primeira semana o crescimento é pequeno, as células se dividem seis ou sete vezes, a intervalos diários, grosso modo, mas ainda formam um grumo, como uma amora preta microscópica (a mórula), não maior que o óvulo original. É mais ou menos nesse período que ele se prende à parede do útero e começa a fazer seu ninho dentro dele.

À medida que o grumo de células de uma semana se aproxima rapidamente da parede do útero, realiza sua primeira incrustação. No filme biológico, a implantação se parece com um pouso na lua. R. D. Laing, na sua palestra sobre “A vida antes do nascimento”, deu grande ênfase à importância dessa transição. 11 Ele sugeriu que a implantação era equivalente à adoção, e que o corpo celular que se encaixava era de algum modo sensível à receptividade do útero. O estado de livre flutuação da consciência, conhecido em certos estados místicos e dissociados, traz consigo um medo de ser carregado pela água. Os mitos do herói que muito cedo na sua existência é posto num repositório e desce o rio até aportar num lugar adequado corresponderiam, sugere Laing, a esse período da jornada dentro da trompa de Falópio. Se o útero for sentido como não receptivo, as fantasias ou pesadelos de se estar sendo tragado por areias movediças podem assombrar uma consciência posterior. Mai se o útero for receptivo, a massa celular efetivamente estende raízes num solo fértil. Para o resto da sua vida no útero, o organismo em crescimento permanecerá enraizado como uma planta, até o rompimento final da sua raiz durante o terceiro estágio do parto. Na imaginação fértil de Laing, a parede do útero é o solo, o embrião é a semente, as vilosidades do córion são as raízes primais, o umbigo em desenvolvimento é o caule e o feto, o fruto em desenvolvimento da planta. Laing (1976) escreve:

Antes da implantação, as secreções do tubo uterino podem ser calmas ou tempestuosas… abundantes ou áridas; pode-se rodopiar, girar, flutuar, voar; ele foi arremessado contra rochas; foi carregado até a praia várias vezes antes do final da jornada. Antes da eventual implantação definitiva, muitas aventuras podem ocorrer. Essa jornada para a implantação pode formar um modelo para os padrões subseqüentes. Assim como a implantação pode ser cartografada por ocasião do nascimento…

O nascimento é o reverso da implantação, e a recepção, que se tem do mundo pós-natal gera uma ressonância simpática dentro de nós com relação à nossa primeira adoção pelo nosso mundo pré-natal.

O óvulo fertilizado, levando a sua carga de informação para formar um corpo humano, continua a se dividir. Compreendemos pouco desse processo. Cada célula do corpo completo resulta da vontade daquele único óvulo fertilizado, porém todas as células serão especializadas e diferenciadas. O único e mesmo óvulo gerará células nervosas, células musculares, células sanguíneas e células ósseas. O olho e a cabeça emergirão da mesma fonte de unidade, com a mesma linhagem. Para os geneticistas, no começo do processo de divisão todas as células são “totipotentes”, todas têm a habilidade de gerar a mão e o olho, o coração e o cérebro. Mas de alguma forma elas são “dirigidas” a agir apenas com uma parte da sua cópia genética total. “Sinais” do meio ambiente da célula em divisão podem ativar ou inibir uma dada célula-filha a se desenvolver na direção do nariz ou do dedo, do pulmão ou do rim. As células do zigoto se dividem e se multiplicam. A “bola” de células cresce e começa a ganhar forma. O que determina essa forma, o que organiza a configuração do humano em crescimento e suas milhões de partes diferenciadas? Os biólogos podem descrever o que ocorre na morfogênese – a origem da forma -, mas são capazes apenas 12 de teorizar acerca do campo organizador que conduz as células certas a se associar aos lugares certos para tornar possível a função orgânica em vez do caos. O que eles descrevem é um processo de movimento protoplásmico direcional, à medida que as células individuais migram e se repõem no corpo da “bola” que se alonga e se invagina. Esse processo é chamado corrente morfogenética. As células fluem por gradientes bioelétricos e químicos para lugares funcionalmente organizados no corpo, diferenciando-se à medida que se dividem, e mantendo a sua função específica de tecido por meio do seu contato com células adjacentes. Aquilo com que podemos apenas nos maravilhar, cujas trajetórias a genética do desenvolvimento pode somente descrever, é um processo de autoformação.

Nas próximas duas semanas, esse grumo de cerca de cem células crescerá mil vezes, desdobrando-se num disco alongado com uma cabeça numa ponta e um apêndice na outra, que já consiste de três camadas: uma parte traseira, uma intermediária e uma dianteira. Ele nunca crescerá tão rápido quanto nestas duas semanas, ocasião na qual se enrolará, transformado-se numa série de tubos. Você precisa entender de geometria tridimensional para seguir as transformações topológicas desse período.

Otto Hartmann (1959) descreveu como são formadas essas três camadas de disco: o embrião é literalmente construído de dentro para fora. Formam-se duas vesículas celulares com cavidades elípticas, o saco amniótico e o saco de sacos nadando no magma dentro de um invólucro (feita de células trofoblastas).

Mas das células que revestem a superfície inferior do saco amniótico se desenvolve o ectoderma, a camada exterior do corpo; das células que revestem a superfície superior do saco de vitelo se desenvolve o endoderma, a camada interior do corpo, enquanto a partir das células do magma se forma o mesoderma, o material de tamponamento do corpo.

A três camadas do disco original – exterior (ecto), intermediária (meso) e interior (endo) – possuem, cada uma, um sistema tubular associado.

Ao longo da parte traseira forma-se um sulco; as bordas se dobram para dentro para formar o canal neural, um tubo selado cheio de fluido que brevemente crescerá na ponta da cabeça formando três protuberâncias – estamos presenciando a emergência daquilo que se tornará as três partes do cérebro (cérebro anterior, mediano e posterior).

A dobradura descendente e o rolamento de todo o disco, que forma um cilindro comprido curvado, provêem o tubo central do corpo, o intestino.

O trato digestivo como um todo, que começa nos lábios, não é simplesmente uma bomba cilíndrica, mas uma estrutura ritmicamente articulada, dividindo o processo do metabolismo no espaço e no tempo em diversas partes principais, em 13 expansão e contratação. É como se este ritmo tivesse se tornando uma forma, e superposta a ela se encontra a peristalse do intestino, que ainda é puro movimento. (Schwenk, 1965)

Todo os órgãos da digestão – estômago, fígado, pâncreas – irão germinar dali no tempo devido, diferenciando-se à medida que crescem. E os pulmões também germinarão da ponta frontal deste tubo interno, como duas pequenas vagens, que se subdividirão e ramificarão no padrão semelhante à árvore dos tubos branquiais.

Fora da camada intermediária do mesoderma, estão brotando células dos dois lados em direção ao centro, para formar as duas metades de um terceiro tubo que se fundirá no coração em sua forma primitiva. Por volta dos 25 dias, num organismo pesando menos de um milésimo de um grama, aquele coração terá começado a bater: o tubo pulsa espontaneamente.

A fundação e a forma totais do coração são um reflexo dos processos ondulatórios da água que, nos seus movimentos de expansão e contração, é como se fossem espaços separados que estivessem se formando continuamente… o órgão pulsa no ritmo de uma corrente de líquido a partir da qual foi formado, tornando assim este ritmo visível, simplesmente… no coração humano, a forma e o movimento estão inter-relacionados, unindo-se num processo rítmico no espaço e no tempo… as fibras do coração são um eco físico dos movimentos criativos a partir dos quais começam. Elas nadam em trajetórias espiraladas até o ápice e então erguem-se novamente na sua base. Elas fazem os mesmos movimentos e enfatizam a corrente vortiginosa cíclica dos fluidos dentro do coração. (id.,ibid.)

Apenas depois de passadas as primeiras três semanas esse conjunto de tubos é chamado embrião. Embrião significa expandir-se ou germinar. Nas próximas cinco semanas, todas as estruturas fundamentais do corpo humano terão sido assentadas. Rios de células surgirão para construir a carne, o músculo e, algum tempo depois, o osso. Os nervos crescem a partir da espinha dorsal primitiva, como raízes delicadas em direção aos órgãos com os quais se comunicarão. Ilhas de sangue surgem e se alongam, juntando-se como gotas de chuva para formar riachos: o sistema vascular está se formando.

Protuberâncias emparelhadas do cérebro (as retinas) se desenvolvem para encontrar cavidades emparelhadas na pele exterior: as duas metades dos olhos estão fazendo contanto uma com a outra.

Em primeiro lugar, a pequena protuberância da vesícula óptica cresce no cérebro anterior. A vesícula óptica toca o interior do ectoderma e ele, por sua vez, se torna invaginado neste ponto, em direção à vesícula óptica, ganhando espessura para formar os cristalinos. A vesícula óptica é comprimida à medida que abre caminho para o cristalino e adquire a forma de uma xícara ao seu redor. Os cristalinos, deslocando-se para dentro, afrouxam então o contato com a superfície e são envolvidos pelo recipiente óptico recentemente formado. Também pode-se entender o modo como 14 surgem as retinas no ser humano a partir dos princípios de fonte e escoadouro. O ponto no qual o nervo óptico deixa o olho é como a saída, o escoadouro numa corrente de água, e a fóvea central próxima dele é como uma nascente. (id,. Ibid.)

Em algum lugar entre o coração e a boca, germinações de carnes estão crescendo para se tornarem cotos e, depois, braços, dos quais crescerão mãos, que se abrirão em estrelas rombudas, que se tornarão dedos. E pouco depois as germinações das pernas se desenvolverão.

Dos lados do tronco, células estão se movendo em doze correntes horizontais para formar as costelas. Elas se encontram na linha mediana do peito, onde ajudam a formar o esterno. No meio das costelas e na parede do tronco perto do peito, futuras células musculares estão migrando. E logo abaixo da superfície a pele está ganhando forma. (Nilsson, 1967)

A forma dos órgãos interiores e a distribuição externa da carne que os encerra refletem os movimentos serpenteantes e migratórios das correntes celulares primitivas, do mesmo modo que uma rocha preserva as linhas dos fluxos de magma derretido, ou o vidro retém as formas onduladas que foram sopradas dentro dele:

Ao longo dos membro, correm sistemas inteiros de correntes que o músculo acompanha de modo aproximado. Tanto os músculos quanto os vasos falam da mesma coisa: movimento de corrente em formas espiraladas. Esse movimento corre através dos tendões dentro dos ossos. O osso ergueu um monumento de pedra ao movimento de fluxo do qual se originou: realmente seria possível dizer que o líquido “expressou-se” no osso. (Schwenk, 1965)

No final desses dois primeiros meses – quando se deu o formato primitivo de todos os órgãos, e a cartilagem protetora é lentamente congelada em varetas, anéis e lamelas de osso, prontos para o tempo em que deverá haver resistência à gravidade – o organismo contém alguns bilhões de células. Ainda pesando menos de dois gramas, começa a fazer movimentos de natação, arqueando e flexionando as costas e membros.

Como um astronauta na sua cápsula, o feto bóia no saco amniótico com as vilosidades da placenta ao redor deles como uma grinalda luminosa. As nebulosas e as constelações neste firmamento são formadas por células do sangue materno e cristais de sal das águas fetais. (Nilsson, 1967)

O período da formação dos órgãos e desenvolvimento dos tecidos termina depois de uma centena de dias. Nos sete meses restantes de gravidez, o feto crescerá umas seiscentas vezes em tamanho, mas basicamente não terá novas estruturas.

15 Os biólogos do desenvolvimento, lutando para estabelecer uma linguagem que expresse uma organização e sincronização um milhão de vezes mais complexas na sua temporização do que qualquer lançamento de foguete à Lua, são levados a adotar termos que soam estranhamente. Eles falam de habilidade e compromisso, atração e contato, informação e organização, determinação e estratégia.

Em que estágio, nesta fase de um corpo em formação, podemos falar de experiência, sensibilidade, memória primitiva? Os ouvidos podem ouvir antes que o rosto tenha terminado de se formar, seis semanas depois da concepção. O ato de chupar o dedo pode ocorrer antes da metade da gravidez, quando os dedos ainda não têm ossos. É nesse período que a mãe, notando os movimentos mais vigorosos dentro do útero quando o feto bóia na água, reconhece e sente os primeiros movimentos do feto.

Os movimentos primitivos de natação do feto são treinos para os movimentos que ele fará na vida pós-natal, quando aprenderá a resistir à gravidade. São os alicerces biológicos da agressão (no sentido de mover-se para a frente), que está baseada na mobilização dos músculos da espinha dorsal. Este é o modo como A. W. Liley descreve os movimentos fetais primitivos, à medida que o feto muda de posição no útero:

O mecanismo por meio do qual o feto troca as extremidades no útero é simples: ele se propulsiona ao redor dele por meio dos pés e das pernas. O mecanismo pelo qual muda de lado é mais sutil: ele emprega uma rotação espiral longitudinal elegante e na metade do giro torce à espinha a 180º. Primeiro, estende a cabeça e a rotaciona, depois rotaciona os ombros e finalmente a espinha lombar e as pernas – de fato, ele está usando seus reflexos espinhais longos. Considerando que esta é a maneira óbvia de girar, não haveria nada de notável a esse respeito a não ser que, de acordo com a literatura sobre a função locomotora do neonato e da criança, o bebê não se vira usando seus reflexos espinhais longos antes de completar catorze ou vinte semanas de vida extra-uterina. No entanto, temos filmes inequívocos do feto usando este mecanismo pelo menos tão cedo quanto com 26 semanas de gestação, e é evidente que a razão pela qual não vemos este comportamento no neonato não é a de que lhe falte coordenação neurológica, mas antes porque um truque simples num estado de flutuabilidade neutra se torna difícil sob a recém-descoberta tirania da gravidade. (Liley)

A memória consciente mais antiga da maioria das pessoas gira em torno dos dois anos. A psicanálise nunca penetrou antes dessa idade porque a sua ferramenta era a linguagem. Uma criança de dois anos já teve 34 meses de experiência corporal, dez dos quais dentro do útero. Devemos acreditar que esse período primordial rico, quando o organismo cresce mais rápido que em qualquer outra fase da vida, não deixa pistas nos tecidos?

Em muitas formas de terapia – por hipnose, do grito primal, reichiana, com LSD – as pessoas afirmar lembrar e reexperienciar eventos primitivos: pré-verbais e pré-natais. Há uma evidência crescente de que os padrões 16 excitatórios do feto, agradáveis e desagradáveis, bem como os padrões reflexos de movimento associado a eles, são retidos de alguma forma recuperável.

Nesse sentido, não precisamos limitar a memória ao cérebro. Organismos sem tecido cerebral ou sistema nervoso têm experiências. Eles são sensíveis, respondem ao meio ambiente e atuam sobre ele. Parece ser propriedade até de uma simples célula possuir algum sistema de memória primitiva de estados organísmicos passados.

Muitors dos que leram os relatos de estados primitivos pré-verbais oi viram tais estados serem aparentemente revividos aceitarão a realidade das lembranças pré-natais. Mas há reivindicações anteriores. Sob LSD, as pessoas declaram experienciar estados embrionários primitivos, até estados de concepção. Alguns desses eventos aparentemente “relembrados” não poderiam ter acontecido no útero. Denys Kelsey e Joan Grant escreveram um livro chamado Many Lives, no qual afirmam ter recuperado lembranças de mortes anteriores e experiências de vidas passadas.

Não desejo entrar aqui em controvérsias sobre a reencarnação, a natureza da consciência e a questão da existência de uma entidade separada do corpo. Estou começando, portanto, pela concepção. Não importa se os relatos que se seguem serão entendidos como “lembranças”, “fantasias” ou “reconstruções imaginárias”. De qualquer modo são experiências profundas que afetam a consciência e, com freqüência, as vidas subseqüentes daqueles que as vivenciaram. Estão mais próximas do que jamais conseguiremos recuperar sobre as nossas origens subjetivas. Portanto, começaremos com o sonho do esperma. A experiência que se segue foi relatada por um psiquiatra depois de uma sessão de tratamento sob LSD.

Comecei a experienciar uma excitação estranha, diferente de qualquer coisa que jamais tenha sentido na vida. A parte mediana das minhas costas estava gerando impulsos rítmicos e tive a sensação de estar sendo propulsionado através do espaço e do tempo em direção a algum alvo desconhecido: tive uma percepção muito vaga do destino final, mas a missão pareceu ser da maior importância. Depois de algum tempo, fui capaz de reconhecer, para minha grande surpresa, que eu era um espermatozóide, e os impulsos explosivos regulares eram gerados por um marcapasso biológico e transmitidos a um flagelo longo que se deslocava como um relâmpago em movimentos vibratórios. Então me dei contra de que o alvo a atingir era o ovo, penetrá-lo e engravidá-lo. A despeito do fato de que toda essa cena parecesse absurda e ridícula à minha mente científica sensata, não pude resistir à tentação de me envolver nesta corrida com toda a serenidade e total investimento de energia.

Ao experimentar a mim mesmo como um espermatozóide competindo pelo ovo, estava consciente de todos os processos envolvidos. O que estava acontecendo tinha as características básicas do evento fisiológicos do modo como é ensinado nas faculdades de medicina; havia, no entanto, muitas dimensões adicionais que estavam longe de qualquer coisa que a fantasia pudesse produzir num estado habitual. A consciência desse espermatozóide era todo um 17 microcosmo autônomo, um universo por si só. Havia uma clara percepção dos processos bioquímicos no nucleoplasma; numa atmosfera nebulosa, pude reconhecer as estruturas dos cromossomas, genes individuais e moléculas de DNA. Eu podia perceber sua configuração físico-química como elementos de lembranças ancestrais, formas filogenéticas primordiais, formas nucleares de eventos históricos, mitos e imagens arquetípicas, simultaneamente. A genética, a bioquímica, a mitologia e a história pareciam estar inextricavelmente entrelaçadas, e eram apenas diferentes aspectos do mesmo fenômeno…

A excitação dessa corrida estava se construindo a cada segundo, e o passo héctico parecia crescer a tal grau que lembrava o vôo de uma nave especial aproximandose da velocidade da luz. Então chegou o ponto culminante na forma de uma implosão triunfante e uma fusão extática com o ovo. (Grof, 1975)

A mesma pessoa relatou experiências aos eventos primitivos que se seguem à concepção, como parte da mesma sessão. Parece-se com uma cena do filme “Fantastic Voyage”, que se passo no interior do corpo. O filme brilhante de Motoyuka Hayashi, “The Begining of Life”, apresentado por R. D. Laing em Londre para acompanhar a sua palestra sobre a vida antes do nascimento (em novembro de 1975), é mais colorido que qualquer cenário de filme psicodélico e intensamente comovente, uma vez que traz à luz alguns dos grandiosos eventos da embriogênese. Eis o modo como esses eventos foram experienciados pelo homem que teve o sonho do esperma:

Experienciei a embiogênese que se segue à concepção de um modo condensado e acelerado. Havia novamente a plena percepção consciente dos processos biológicos, divisões celulares e crescimento dos tecidos. Havia tarefas numerosas a serem realizadas e períodos críticos a serem superados. Eu estava testemunhando a diferenciação dos tecidos e a formação de novos órgãos. Eu me tornei as arcadas branquiais, o coração pulsando do feto, colunas de células do fígado e células da membrana da mucosa do intestino. Uma liberação enorme de energia e luz acompanhava o desenvolvimento embrionário. Senti que este fulgor ofuscante tinha algo a ver com a energia bioquímica envolvida no crescimento precipitado de células e tecidos. (id.,ibid.)

Um estudante de 26 anos de idade, chamado Richard, que foi fazer terapia em decorrência de uma depressão suicida, descreve uma experiência intra-uterina que pode ser verificada independentemente.

Ele se sentiu imerso no liquido fetal e fixado à placenta pelo cordão umbilical. Estava atento à corrente de alimentação ao redor do umbigo no seu corpo e experienciou sentimentos maravilhosos de unidade simbiótica com sua mãe. Havia uma continuidade da circulação entre eles: o líquido de doação da vida – o sangue – parecia criar uma espécie de elo mágico entre ambos. Ouviu dois conjuntos de sons partindo do coração em diferentes freqüências que se fundiam em um padrão acústico ondulatório. Isso era acompanhado de ruídos surdos e roncos, que ele 18 identificou depois de alguma hesitação como sendo aqueles produzidos por gases e líquidos de sua mãe durante os movimentos peristálticos dos intestinos adjacentes ao útero. Ele estava plenamente consciente da sua imagem corporal e reconheceu que era muito diferente da adulta: sua cabeça era desproporcionalmente grande se comparada com as extremidades do corpo. Com base em sugestões que ele não foi capaz de identificar e explicar, diagnosticou que era um feto bastante maduro pouco antes do parto. (id,.ibid.)

Imerso no líquido amniótico, protegido das pressões externas e virtualmente sem peso, o feto flutuante, preso firmemente à parede uterina, está num estado de segurança e contentamento que nunca ultrapassará. Este é o período que Leboyer chamou de “Idade de Ouro” e que Stanislav Grof compara ao paraíso.

Francis Mott (1948) sugere que alguns dos sentimentos libidinais mais primitivos são gerados em todas as superfícies da pele do feto pelos movimentos da lanugem no líquido amniótico:

Estes pêlos aparecem normalmente durante o quarto mês de vida fetal e desaparecem mais comumente antes do nascimento. Os movimentos fetais começam habitualmente no quinto mês, de modo que há geralmente três ou quatro meses durantes os quais o corpo fetal está se movendo nas águas do âmnio, sua lanugem ondulando minuto a minuto para trás e para a frente como pequenas plantas num viveiro agitado pelo vento. (Mott, 1948)

Quando se recupera a condição de serenidade e tranqüilidade no útero, é experienciada como um estado de êxtase oceânico, de fusão livre de tensão. Grof relaciona este estado às experiências de unidade e fusão mística, às experiências culminantes da vida posterior. Freud, de modo similar, falou de sentimentos oceânicos, e Reich, de correntes cósmicos. O útero pode ser o mais próximo que uma pessoa possa alcançar da experiência de paraíso.

Mas, uma vez que o bebê em desenvolvimento está incrustado dentro da mãe, o seu corpo nutrido como um dos seus próprios órgãos, este sentimento corporal positivo apresenta um pré-requisito essencial: que a mãe estiver tensa, estressada ou cheia de sentimentos corporais ruins, eles podem ser comunicados ao feto?

Baseado na recuperação de lembranças de experiências fetais, Grof (1975) conclui que o feto é sensível não apensas a distúrbios consideráveis na sua existência, tais como pressões mecânicas, sons altos e vibrações intensas, mas ao distresse, se sua mãe estiver doente, exausta ou intoxicada. Sabemos que os efeitos da nicotina atravessam a barreira placentária e reduzem o nível do oxigênio no sangue do feto.

Até mais surpreendentes são as afirmações, numerosas e independentes, de que o feto está atento ou partilha dos estados afetivos da sua mãe; alguns relataram uma 19 participação do feto nas crises de ansiedade da mãe, choques emocionais, acessos de agressão o ódio, estados depressivos e excitação sexual; ou, inversamente, nos seus sentimentos de relaxamento, satisfação, amor ou felicidade. Outro aspecto interessante desta categoria de fenômenos são relatos da troca de pensamentos entre mãe e criança no útero, que adquirem a forma de comunicação telepática… Esta comunicação em múltiplos níveis com a mãe os torna agudamente atentos no que diz respeito a serem queridos e amados ou indesejados e rejeitados. (Grof, 1975)

Existe até uma sensibilidade fetal à luz. Leboyer descreve o modo como o feto percebe a luz, um halo dourado resplandecendo através da parede abdominal, se a mãe estiver despida sob um sol forte. De acordo com Smythe, do University Collage, Auckland, raios de luz projetados na parede abdominal da mãe produziram flutuações na taxa de batimento cardíaco do feto (Liley).

Os sons também impressionam a consciência do feto. Considerando que depois do nascimento ele pode ser aclamado pelo som do batimento cardíaco, parece claro que esse som já foi gravado desde o tempo da sua vida no útero.

A partir da 25º semana, o feto pulará em sincronia com a atuação de um timpanista na apresentação de uma orquestra… Elias Canetti aponta que todos os ritmos de tambor no mundo pertencem a um ou outro de dois padrões básicos: o tamborilar rápido das patas dos animais ou o batimento rítmico do coração humano. O padrão de batida da pata do animal é fácil de compreender por meio do ritual e da mágica simpática da cultura de caça. Todavia, curiosamente, o ritmo do batimento cardíaco é mais difundido no mundo, mesmo em grupos como os índios Plains, que caçaram as grandes manadas de bisão. Esse ritmo estaria profundamente gravado na consciência humana desde a vida fetal? (id.,ibid.)

Experimentos realizados na Suécia, segundo Janov, mostraram que o feto responde a um ruído de intensidade média aumentando a taxa de batimento cardíaco:

Só porque o feto não pode conceituar o estresse, isto não significa que não foi atingido per ele ou que o estresse não está tendo efeitos duradouros no seu comportamento posterior. (Janov, 1973)

Outro relato notável da sensibilidade do feto ao som é fornecido pelo sujeito de estudo de Grof, Richard:

Neste estado, ele ouviu repentinamente barulhos estranhos provenientes do mundo exterior. Tinham uma qualidade de eco muito incomum, como se ressonassem numa grande sala ou viessem através de uma camada de água. O efeito que deles resultava lembrou-o do tipo de som que os técnicos de música produzem através de instrumentos eletrônicos nas gravações modernas. Finalmente, concluiu que a parede abdominal e o líquido fetal eram responsáveis pela distorção e que esta era a forma pela qual os sons exteriores atingiam o feto. Ele tentou 20 identificar o que produzia os sons e de onde vinham. Depois de algum tempo, pôde reconhecer vozes humanas rindo e gritando, e sons que se pareciam com trombetas de carnaval. De repente, imagina que isto deveria ter sido a feira anual que acontecia na sua cidade natal, dois dias antes do seu aniversário. (Grof, 1975)

A mãe foi entrevistada independentemente, sem ser informada sobre o relato de Richard. Ela realmente tinha ido ao carnaval da aldeia antes do nascimento dele e acreditava que a excitação e o barulho ajudaram a precipitar o parto dois dias depois.

A consciência do feto está provavelmente mais perto da consciência do sonho do que qualquer outra coisa. De fato, há evidencias de que o feto sonha muito mais do que o bebê recém-nascido, do mesmo modo que o bebê sonha mais que o adulto. Bebês prematuros gastam 85% do seu tempo de sono no estágio do sonho, como foi demonstrado pelos movimentos rápidos dos olhos, enquanto um bebê gasta a metade do seu tempo de sono desta forma, e um adulto, aproximadamente um quarto. Howard Roffwarg e seus colegas no Hospital Montefiore, em Nova York, argumentaram que o estado de sonho pode estar alimentando o sistema nervoso em desenvolvimento do feto. O tempo de sonho é um tempo, de acordo com Gay Luce (1971) no seu livro sobre ritmos biológicos, no qual

O bebê às vezes pode parecer atento, pois ele chuta, fazendo pequenos movimentos de contração dos dedos, e pode sugar, sorrir e fazer careta… tal vez tenha tido uma prática pré-natal de comportamento de sobrevivência, tal como chutar e chupar o dedo durante estados de movimentos rápidos de olhos. (Luce, 1971)

O útero é a mãe dos sonhos. Nos mitos aborígines, quando querem se referir às suas origens, eles falam do tempo de sonho. Muitas pessoas, dormindo como adultos, reassumem a posição fetal que adotaram por último no útero.

O feto também responde aos estados de sonho da mãe, sincronizando com freqüência seus estados de atividade ao ciclo de sonho da mãe, segundo a pesquisa de Starman (apud Luce, 1971).

Dentro do útero, o embrião transpõe estados de imagem de dezenas de milhares de anos anteriores ao seu desenvolvimento. Neste estado, supõem-se que o feto em desenvolvimento esteja, no melhor dos casos, sujeito às imagens da mãe, que pode estar tentando desesperadamente se livrar delas. As suas comunicações para a imagem sensível do feto devem ser seguramente algo diferentes daquelas da mãe que está dando as boas-vindas à nova vida, cultuando a imagem do seu desenvolvimento no seu coração.

Durante a metade da vida fetal, o recipiente (âmnio) está crescendo mais rápido do que o conteúdo; mas no últimos poucos meses da vida fetal, a situação muda drasticamente à medida que o feto cresce e se expande para fazer contato com as membranas que o envolvem. O oceano uterino possui praias.

21 Este é o modo como Frederich Leboyer (1975) conceitua a descoberta pelo fato de que ele vive, durante este período, num universo reduzido:

O bebê comença a se sentir fechado; o universo está se contraindo. O que era antigamente um espaço sem fronteiras se torna mais confinado a cada dia. Foi-se o oceano sem limites dos dias mais precoces – e felizes; aquela liberdade absoluta não existe mais. E um dia o bebê se acha…prisioneiro. E dentro de tal prisão. A cela é tão pequena que o corpo do prisioneiro toca as paredes – todas de uma vez. Paredes que se aproximam cada vez mais o tempo todo. Até o ponto em que um dia as costas da criança e o útero da mãe parecem estar fundidos. (Leboyer, 1975)

O bebê está encerrado pela primeira vez num abraço de carne. Não há motivos para afirmar que este aperto terrestre tão próximo, depois de amplos espaços de água, seja desagradável. Dependerá muito do tônus do útero e das sensações corporais da mãe, do mesmo modo como, na primeira infância, a criança gosta de ser estreitamente apertada, e abraçada pelos pais, ou repele angustiada; isso dependerá da qualidade do abraço.

Durante o nono mês, as paredes que o envolvem estão ensaiando os movimentos de contração. Janov sugere que as contrações têm por função estimular a pele do bebê, que por sua vez estimula os sistemas corporais de que precisará depois do nascimento, do mesmo modo que os animais estimulam a pele da cria lambendo-a.

Uma vez que a criança tenha se restabelecido do seu susto inicial”, escreve Leboyer (1975), “ela vem a gostar delas. A esperar pelas contrações, a desejá-las”. “Quando chegam – abraçando a criança, acalentando-a -, ela se rende a elas; arqueia as costas, estremece de prazer nesse jogo sensual”.

Pesquisas recentes sugerem que o feto escolhe sua posição dentro do útero e o momento do parto:

Longe de ser um passageiro inerte dentro de uma mãe grávida, o feto está prioritariamente no comando da gravidez e induz todas as formas de mudanças na fisiologia para fazer dela ma anfitriã adequada. É o feto que, sem ajuda, resolve o problema homográfico – sem dúvida uma proeza se refletimos que, biologicamente, é possível para uma mulher carregar mais do que o próprio peso de seu corpo em bebês, todos estrangeiros imunológicos, durante sua carreira reprodutora. É o feto que determina a duração da gravidez. É o feto que decide como ele ficará na gravidez e de que modo apresentará o trabalho para o parto. Se ele escolher flexionar os joelhos, o feto se apresentará pelo vórtice, já que a cabeça forma um pólo menor do que as costas, coxas, barrigas das pernas e pés e que esta disposição corresponde à polaridade da cavidade uterina. Se, no entanto, ele escolher estender os joelhos, ficará mais bem assentado, já que seu tronco afundado e suas coxas formam um pólo menor do que a sua cabeça, barrigas das pernas e pés. 22 A percepção de que o próprio feto determina a maneira como ficará durante a gravidez e se apresentará no trabalho de parto, fazendo o melhor que pode o espaço e da configuração disponíveis a ele, coloca a prática da anteversão sob nova perspectiva; atualmente, é menor o número de obstetras que assume saber melhor que o feto como ficará mais confortável. É claro, ao selecionar uma posição de conforto no final da gravidez, o feto pode ter escolhido uma posição que é difícil ou impossível para o parto vaginal. Nesse sentido ele pode ser acusado de falta de visão, mas este não é um traço desconhecido dos adultos. (Liley)

O corpo desenvolvido do bebê está no seu líquido amniótico. Está pulsando com a vida, e a única cultura que conhece é o oceano uterino. Ele está pronto para penetrar no mundo gravitacional da terra caminhável e do céu respirável, embora vinte anos se passarão antes que o desenvolvimento lento dos tecidos e o preenchimento da forma chamada crescimento sejam completados. A criança se prepara para sua viagem de quinze centímetros dentro do mundo, além das paredes do útero.

PARTO: o descenso do não-nascido

Quando o feto está pronto, ele ou ela induz o trabalho de parto. Isso parece ser preparado também pelo relógio biológico, ligado à idade da placenta, que assegura que em algum momento per volta da 40ª semana depois da ovulação, as contrações adequadas serão desencadeadas no útero. O primeiro estágio do trabalho de parto começa. Lamaze comparou as contrações uterinas com o fluxo e refluxo das marés:

Crescimento da contração: maré ascendente

Apogeu da contração: remanso

Decréscimo da contração: maré descendente

Dick-Read (1946), um dos pioneiros no estudo do nascimento natural de crianças, argumentou enfaticamente que seria surpreendente se o nascimento fosse a única função natural que tivesse uma conexão orgânica com o sofrimento. Não há motivo para afirmar que o nascimento é para o bebê uma experiência traumática, como Rank sugeriu. “Apenas o nascimento traumático é traumático”, lembra-nos Janov.

O nascimento que é dolorosa para a mãe será provavelmente estressante para o bebê. Vale lembrar as dinâmicas da dor no primeiro estressante para o bebê. Vale lembrar as dinâmicas da dor no primeiro estágio do trabalho de parto.

O útero possui três camadas de músculos: uma exterior de músculos longitudinais, uma intermediária de fibras musculares correndo em várias direções e uma interior de músculos circulares. A função dessas três camadas é a 23 seguinte: a tração dos músculos longitudinais abrem a boca do útero, dilatando o cérvix e abrindo o canal de nascimento para que o bebê comece o seu descenso. A fibras da camada intermediária são estreitamente emparelhadas; as fibras mais importantes são entrelaçadas em “forma de oito” e envolvem os grandes vasos sanguíneos. As fibras apertam os vasos sanguíneos quando se contraem e os abrem para oxigenar o útero quando relaxam. A camada interior de músculos fecha a boca do útero. Os músculos longitudinais são governados pelo sistema nervoso simpático. O modo como esses sistemas se adaptam um ao outro, ou não, se dá da seguinte forma: uma mãe que está relaxada e não sofre de estresse consciente ou inconsciente estará sob a influência predominante do parassimpático. Os músculos longitudinais dilatarão o cérvix, os músculos em forma de oito abrirão os vasos sanguíneos para retirar os produtos químicos do esforço e trazer oxigênio fresco; e os músculos circulares relaxarão. Tais contrações não deveriam ser dolorosas, com exceção possivelmente da última meia hora ou algo no gênero, quando o cérvix está no seu estiramento máximo antes que o segundo estágio comece.

À medida que cada contração se aproxima, sente-se como que uma onda avolumando-se a distância. Ela ajusta automaticamente seu ritmo respiratório para ir ao encontro dela e, à medida que esta vem em sua direção, “nada” acima dela com braçadas rítmicas cuidadosamente deliberadas, direto acima da crista; então começa a senti-la desaparecer e sua respiração se torna mais suave e ela descansa. No final de cada contração, ela fax umas poucas respirações profundas. (Kitzinger, 1972)

Um bebê deveria experienciar essas contrações como um abraço cada vez mais próximo, uma massagem cada vez mais firme, mas de modo algum como uma pressão esmagadora. Montagu (1971) escreve:

Durante esse período, as contrações do útero proporcionam estimulações massivas à pele do feto… Essas estimulações são mais intensificadas durante o processo do trabalho de parto, a fim de preparar os sistemas de sustentação para o funcionamento pós-natal de maneiras diferentes daquelas necessárias no meio ambiente aquático em que o feto viveu até então. (Montagu, 1971)

Uma mãe tensa, estressada ou com medo da dor, será governada pelo sistema nervosos simpático, dominante nos estágios de tensão e ansiedade. Isso significa que o cérvix se contrairá, bloqueando a saída do útero. Os músculos em forma de oito se contrairão, apertando os vasos sanguíneos, diminuindo o fluxo de sangue e o suprimento vital de oxigênio às paredes uterinas.

O aperto dos vasos sanguíneos afeta os terminais nervosos. “Nota-se dor no útero”, indica Casserley (1975), “quando os terminais nervosos não são irrigados suficientemente pelo sangue. Um útero tenso extrai o sangue à força e 24 disso resulta a dor”. Uma conseqüência adicional à ação do simpático é que os músculos longitudinais recebem um menor número de impulsos do sistema parassimpático. Ele continuará se contraindo, no entanto, porque é governado em primeiro lugar pelo hormônio oxitocina, que o estimula a se contrair.

Temos agora uma situação em que o útero procura fazer duas coisas antagônicas ao mesmo tempo: tentando abrir, sob a influência do relógio biológico que atua através do hormônio, que por sua vez prepara o caminho para que o bebê nasça; e, ao mesmo tempo, tentando permanecer fechado, sob a influência dos nervos simpáticos levados a agir pelo medo. É como tentar dobrar o braço e estirá-lo ao mesmo tempo: o braço tem um espasmo e fica dolorido. É exatamente isso que ocorre no útero da mãe incapaz de relaxar e condicionada a esperar pela dor. Quais são os efeitos sobre o bebê? Ele está agora numa situação intolerável, na qual o que poderia ter sido uma massagem firme começa a parecer um esmagamento até a morte. Grof (1975) escreve esta experiência como a de “sem saída”, ou inferno. Um sujeito em terapia relembrou esse estado com estas palavras:

Eu estava totalmente submergido numa situação da qual não haveria escapatória, a não ser morrendo. Sentia que faria qualquer coisa para escapar, mas havia algum modo de espaçar?… Eu me sentia preso num labirinto do qual não havia regresso. Estava impedido de prosseguir e este era meu destino, estar em algum lugar que não era a criação para a vida, mas sendo pego na roda do sofrimento… Era como se eu fosse um prisioneiro num campo de concentração e, quanto mais tentasse sair dele, mais seria batido; quanto mais lutasse para me libertar, mais apertados se tornariam os grilhões. (Grof, 1975)

As pessoas que entram em contato com experiências ruins nesse estágio do trabalho de parto as associam com sentimento de terror intoleráveis, alienação total, desamparo e desesperança. Grof distingue estes sentimentos das dificuldades encontradas o segundo estágio do trabalho de parto pela ênfase única do “papel da vítima e o fato de que a situação é insustentável, sem escapatória e eterna – não há como sair dela, quer no espaço ou no tempo”.

Parece não haver saída, mas, até numa mãe tensa, as marés inexoráveis das contrações uterinas vencerão eventualmente os relutantes músculos constritores, que agarrarão o cérvix se ela for incapaz de relaxar. Facilmente ou com dificuldades, o cérvix finalmente ficará aberto e o caminho estará livre para que o bebê desça. O segundo estágio do trabalho de parto está para começar.

De agora em diante, cada contração uterina exerce uma pressão sobre o bebê, à qual ele pode ceder à medida que, centímetro por centímetro, começa a se deslocar pelo canal abaixo. A mãe pode participar mais ativamente agora: enquanto o relaxamento era-lhe exigido no primeiro estágio, requisita-se dela, nesse momento, um esforço ativo. Segurando a respiração para ancorar o diafragma, ao “abaixar” ela pode ajudar e facilitar o processo de dar à luz o bebê.

25 Mas, de novo, há um erro perturbador no qual pode cair: os músculos do diafragma e os do assoalho pélvico são antagônicos um em relação ao outro: enquanto a contração dos músculos abdominais no “abaixamento” ajuda o parto, o assoalho pélvico é requisitado a relaxar. Muitas pessoas, particularmente aquelas que têm um caráter “agressivo e constritor”, comprimem os músculos do assoalho pélvico involuntariamente e, assim, impedem seu próprio livramento. Vellay (1959) explica o processo:

Uma mulher que empurra deste modo durante o trabalho de parto cria um obstáculo à passagem do bebê pela vagina. Esse esforço não apenas falha em preencher as necessidades do momento, mas é contrário a elas. Você não pode empurrar assim. É claro que de qualquer modo o bebê nasceu. Ele consegue transpor este obstáculo simplesmente porque as três forças juntas – a contratação do útero, o trabalho dos músculos abdominais e a pressão do diafragma – realizam uma força maior que a contração da cavidade vaginal pelos músculos do assoalho pélvico. Mas o obstáculo foi vencido à força, o que significa que a mulher tem de produzir esforços muito maiores e principalmente mais prolongados. (Velley, 1959)

Kitzinger (1972) explica que a ação dos músculos abdominais é realmente não apenas desnecessária, mais indesejável:

A ação por meio da qual o bebê é empurrado pelo canal deveria ser semelhante a um pistão, com toda a pressão sendo exercida de cima para o fundo do útero, e os músculos do assoalho pélvico completamente relaxados. Se você segurar um cilindro do papelão e pressionar uma bola de gude por ele partindo do alto (com o dedo da outra Mao realizando o papel do diafragma), a jornada será bastante dificultada se você prender o cilindro firmemente em vez de soltar a pressão. Se a parede abdominal for retesada e apertada sobre o útero, e desse modo a pressão de cima não poderá fazer efeito plenamente. (Kitzinger, 1972)

A pesquisa de Benyon (1957) sobre o segundo estágio do trabalho de parto mostrou que os nascimentos mais fáceis ocorrem quando a mãe economizou esforços musculares e não era estimulada a empurrar de qualquer forma, exceto quando a pressão para fazê-lo era involuntária. Seu trabalho começou por um estudo dos casos cardíacos, nas quais era proibido fazer força durante o trabalho de parto e que tiveram seus bebês mais facilmente como resultado. Ela escreve:

Além do mais, em quase todos os casos, um endurecimento, uma tensão reflexa, se desenvolve no períneo, e isto em si apresenta dificuldades. É uma situação muito incômoda porque, durante o parto, a cabeça do bebê deixa o útero, pressiona por trás dos tecidos do períneos e, à medida que progride, empurra todos estes tecidos na frente dele. Estes tecidos se tornam, aos poucos, consideravelmente esticados, mas apenas sob uma condição. Para que um tecido se torne esticado, ele deve 26 permanecer elástico. Agora, quando as mulheres empurram do modo errado, esses tecidos perdem a elasticidade e criam um obstáculo para o progresso da cabeça. Você pode entender porque as mulheres são dilaceradas. Esses músculos e tecidos não podem se esticar e chega um momento em que cedem a passagem. (Benyon, 1972)

Uma conseqüência disso é que alguns médicos usam a episiotomia (incisão do períneo)como medida padrão, considerada preferível ao “rasgo”. Mas ambos são evitáveis, se a mãe for ajudada a relaxar e o nascimento não for apressado. Dr. Petersen, em seu livro Experience in Obstetrics, escreve o seguinte:

Nunca fui capaz de ver nenhuma lógica nas episiotomias, e certamente não vejo utilidade para elas antes do parto. Porque, sob quaisquer circunstâncias, cortar um ponto em que os vasos sanguíneos, os nervos e os músculos devem ser rompidos? Mais de uma mulher com uma episiotomia se queixou anos depois de insensibilidade abaixo da linha do corte, como resultado de um rompimento importante de nervos… Foi apenas depois de anos de experiências dolorosas que descobri que se eu tornar o parto mais lento, dando todo o tempo para que as duas partes realizem o estiramento, deixando o períneo bem por último, não há necessidade de laceração. (Petersen)

Estamos descrevendo os resultados de um segundo estágio tenso e forçado. Como são experienciados pelo bebê? Grof compara-o à uma luta de vida ou morte, com um clima de luta titânica, mais próximo do conceito de purgatório do que de inferno. Ele vê a luta como ocupando uma zona marginal entre agonia e êxtase. É uma experiência vulcânica, em comparação com os estágios oceânicos dentro do útero. As manifestações físicas que descreve incluem:

Uma pressão enorme na cabeça e no corpo, choque, sufocação e estrangulamento; dores torturantes em várias partes do organismo; distresse cardíaco sério, alterando calafrios e ondas súbitas de calor; transpiração abundante; náusea e vômito em jato; movimentos das vísceras aumentados; pressa para urinar, acompanhada de problemas de controle esfíncter e tensão muscular generalizada, descarregada em diversos tremores, contorções, sacudidelas; solavancos e movimentos complexos de torção. (Grof, 1975)

Um relato muito completo de experiências subjetivas de revivència do nascimento foi dado por Frank Lake.

Essas experiências traumáticas não precisam ocorrer se as forças que auxiliam o descenso do bebê atuarem em harmonia. Uma força adicional pode ser usada e é surpreendente que não se tire mais vantagem dela: a força da gravidade.

Yunker (1975), num artigo sobre procedimentos de parto, descreve a posiçap gravitacional para o parto deste modo:

27 A posição natural para um nascimento humano é a de mulher agachada, ou, depois que a civilização criou a obstetrícia, sentada num assento destinado ao nascimento com as costas apoiadas. Atualmente, a posição habitual, que começou quando os médicos começaram a atender aos partos das mulheres de classe mais alta, por volta do século XVII, é colocar a mulher em trabalho de parto deitada sobre as costas, com as pernas levantadas.

Infelizmente, nessa posição a gravidade está trabalhando contra a mãe em vez de trabalhar a seu favor. O peso do útero pressiona a veia central do corpo mais baixo. Isto lentifica a pressão sanguínea da mãe que, por sua vez, pode tornar mais lento o coração da criança. A artéria principal que leva oxigênio ao bebê também é pressionada. Se a mãe estiver de lado, sentada ou andando, o sangue circula livremente. (Yunker, 1975)

Norma Casserley (1975), uma parteira que realiza partos normais e fez o parto de milhares de bebês por métodos mais naturais, trabalha regularmente com a mãe estendida sobre uma cadeira ou numa posição semi-reclinada.

Presa nas próprias costas com as pernas nos estribos é a pior posição possível para dar à luz”, diz Casseley. “As veias e artérias principais estão ao longo da espinha, e nessa posição o peso do bebê, o útero e o líquido amniótico ficam atrás. Os coágulos de sangue são freqüentes nessa posição.”

Uma mãe que pode participar harmoniosamente do segundo estágio do nascimento da sua criança não realiza uma luta titânica, embora esteja totalmente comprometida em ajudar o descenso do bebê.

Uma paciente em terapia bioenergética, uma mulher de 35 anos, casada, mãe de quatro filhos, desenvolveu juntas doloridas e dores em outras partes do corpo, especialmente na região dos ombros. Selinger (1975), o terapeuta, descreveu o modo como seus estados de medo e pânico aumentaram com palavras chorosas. Eis como descreveu o que ocorreu depois:

Um mês atrás ela confessou, com algum embaraço, um sentimento que vinha tendo há dois meses. O sentimento era quase uma visão; ela estava para entrar num tubo negro muito assustador. “Parece loucura, mais isto é o que me deixa tão doente.” Durante a investigação posterior, ela começou a “ver” que o tubo tinha uma pequena abertura na outra ponta e que havia luz nessa abertura.

Os comentários me trouxeram à mente os artigos de Nandor Fodor (Psychiatric Quarterly, 1946) e seu livro Search for the Beloved (Hermitage Press Inc., Nova York, 1949) uma investigação clínica do trauma de nascimento e condicionamento pré-natal. Também me lembrou das minhas experiências com a análise por hipnose durantes as quais, na regressão, alguns pacientes espontaneamente se sentiam em cavernas escuras com água e aberturas com luz brilhando através delas, reexperienciando o que os pacientes e eu acreditávamos ter sido um trauma de nascimento. Reviver as experiências era de grande benefício para os pacientes.

Esses pensamentos e lembranças me conduziram a pedir à paciente que se deitasse de costas sobre a cama, com os joelhos levantados. Sentei na borda da cama segurando sua cabeça entre as mãos e pressionando levemente de ambos 28 os lados. O seu vértice, onde costumavam ficar as fontanelas, estava muito dolorido, uma condição que ela nunca experienciara quando eu havia trabalhado nela antes. Encorajei-a a entrar no tubo. Ela se sentiu entrando lentamente dentro dele e se movendo em direção à abertura. Estava assustada e sentiu uma grande dor na cabeça. Continue encorajando-a à medida que aplicava uma pressão maior sobre a cabeça. Depois de dois ou três minutos, começou a sentir uma grande força nas pernas empurrando o corpo em direção à abertura. Ficou aterrorizada. À medida que eu girava sua cabeça, senti a mesma força na paciente enquanto ela continuava empurrando na minha direção, sua cabeça saindo da cama e para baixo em direção ao chão. Enquanto que eu sustentava sua cabeça, seus movimentos corporais me trouxeram à memória partos que eu havia realizado.

De repente, ela relaxou completamente, se pôs sobre os cotovelos lentamente e então sentou-se, sorrindo e parecendo muito satisfeita. Ela retomou sua experiência passo a passo, ficando especialmente impressionada pela força que sentiu no seu corpo à medida que empurrava a si mesma para fora do tubo e dentro da luz. Não sentiu mais dor e pressão na área do vértice. Ela saiu do consultório de bom humor, algo que não ocorria há muito tempo.

Os Ritter (1954), num artigo importante sobre nascimento, ressaltaram i prazer associado ao nascimento saudável e resumiram as seguintes características semelhantes entre nascimento e orgasmo:

  1. A natureza involuntária dos movimentos, isto é, as contrações e convulsões envolvendo todo o organismo.

  2. A tensão e a carga ascendentes constatadas apenas na mãe, pela natureza das coisas.

  3. O alívio e prazer intermediários marcantes e notáveis experienciados entre as contrações, correspondendo aos picos menores da excitação no fazer amor.

  4. O êxtase sentido depois do ápice do coroamento.

  5. A mesma ansiedade e medo da morte, irrompendo e cindindo, como na ansiedade extrema da cópula durante o orgasmo das pessoas incapazes de suportar o prazer total.

  6. Os rostos totalmente radiantes, pulsando e satisfeitos da mãe e da criança depois de um nascimento saudável (transfiguração, como Dick-Read chamou) tão evocativos das faces dos amantes depois de uma união desinibida; ou o anticlímax neurótico altamente deprimido do nascimento não-saudável, que corresponde aos resultados da relação sexual inibida. (Ritter, 1954)

Um dos acontecimentos do parto natural é que ele pode induzir com freqüência ao orgasmo na mãe quando ela está dando à luz: “Ao eliminar a dor e no ambiente agradável do lar, é importante para mãe esquivar-se dele”, afirma Casserley (1975): “Ao passar pelo canal, um bebê toca e estimula as mesmas áreas que são estimuladas na relação sexual.”

Mas é mais que isso. Estamos lidando, como os Ritter mostraram no seu clássico artigo, com a superposição e clímax e dois sistemas de energia. Wilhelm 29 Reich lembrou-nos há muito tempo que o feto era outro sistema de energia dentro da mãe. Os Ritter descrevem novamente o processo do seguinte modo:

As convulsões de “eu quero sair” do feto são uma força, e as convulsões do “eu quero que você saia” da mãe, outra. As primeiras agem de dentro do útero no primeiro momento e podem ser deduzidas ou observadas como uma ação positiva pelo feto durante o parto, particularmente no coroamento da cabeça. A força o “eu quero que você saia” é a pressão involuntária das contrações dos músculos uterinos em conjunção com as forças auxiliares. O ponto de encontro é o períneo. Diagramaticamente, as duas forças representam dois braços de espiral superpondo-se e fundindo-se neste ponto. A urgência para sair e os esforços para empurrar a criança para fora atingem um clímax. A tensão, no seu ponto mais alto, é seguida após o coroamento por um tremendo relaxamento nos dois sistemas, primeiramente fundidos e posteriormente como dois organismos separados.

Este nascimento, que pode ser uma experiência orgástica tanto para a criança assim como para a mãe, também é confirmado por lembranças subjetivas na terapia pré-verbal. Muitas pessoas que reviveram seu nascimento descrevem sentimentos de correntes poderosas de energia percorrendo todo o corpo. Um dos pacientes de Grof (1975) descreveu a sua re-experiência de parto com as seguintes palavras:

Tornou-se muito claro para mim que não havia diferenças entre sexo e o processo de nascimento, e que os movimentos de deslizamento do sexo eram idênticos aos movimentos de deslizamento do nascimento. Aprendi facilmente que cada vez que a mulher me apertava, eu tinha simplesmente que permitir e deslizar para o lugar onde ela me empurrava. Se eu não me esforçasse e não lutasse, o aperto se tornava intensamente agradável. Às vezes eu me preguntava se haveria um final sem saída e se eu iria sufocar, mas cada vez que era empurrado e meu corpo se contorcia fora da forma, eu deixava acontecer e deslizava facilmente para onde estava sendo mandado. Meu corpo estava coberto com o mesmo muco viscoso que antes, durante a sessão, mas não era mais um pouco nojento. Era o lubrificante divino que tornou tão fácil abrir caminho e ser empurrado e guiado. Por várias vezes tive a experiência de que “isto é tudo que há para isso” e “é tão incrivelmente simples” que todos os anos de luta, de dor, de tentativa de entender, de tentar elaborar eram todos absurdos e que todo o tempo esteve bem aqui na minha frente; que era muito simples. Você simplesmente deixa acontecer e a vida te aperta e te empurra e te facilita e te guia através desta jornada.

A mãe que puder participar plenamente do clímax convulsivo do reflexo de orgasmo estará mais bem preparada para o impulso energético do reflexo de expulsão. Ela da à luz. O bebê não é tirado dela. Permite-se que o bebê, como o orgasmo, chegue.

Silvert (1955), um colega de Reich que estava particularmente preocupado com as condições de um nascimento sadio, escreveu o que segue sobre o parto satisfatório:

30 O encorajamento constante da mãe para que ceda às suas contrações conduz a um progresso gratificante do bebê através do canal. É especialmente admirável a resposta do feto, em termos de sua taxa de batimento cardíaco e movimento, às contrações suaves semelhantes às ondas, em contraste com as contrações que não apresentam esta qualidade… A mãe capaz de ceder ao processo de nascimento se segura levemente a uma parede acima do peito para se sustentar, o cotovelo dobrado e relaxado. A cabeça cai para trás e o peito desce suavemente à medida que Lea respira, a pelve vem para a frente num movimento sugestivo de rendição sexual, joelhos dobrados e suspiros suaves surgem na boca parcialmente aberta. A cor é rosa, os olhos brilham e os pensamentos são igualmente expressivos: “Porque isto é bom como sexo. Estou realmente gostando. Por que as pessoas não sabem disso? É maravilhoso. Estou tão feliz.” (Silvert, 1955)

Se o clímax do coroamento é o ato final no processo do parto, é também o primeiro momento no processo de chegada. O bebÊ abre os olhos pela primeira vez, se prepara para aterrissar.

CHEGADA: o estabelecimento do recém-nascido

Uma criança ao nascer faz transição entre dois mundos: o amniótico e o terrestre – o mundo de quase ausência de peso e fluidez e o mundo da gravidade e da solidez. A última vez em que ele fez uma aterrissagem, era um zigoto microscópico de apenas uma semana de idade, plantado na parede uterina. Aquela primeira aterrissagem era uma implantação, um deitar de raízes. A aterrissagem que ele faz agora envolve um desenraizamento radical: o sistema de raízes do bebê, a placenta, que foi a única fonte de alimentação durante a sua existência depois da primeira semana, está morrendo. A mudança de existência é quase total, tão dramática quanto a mudança do oceano para a terra na evolução, e isto levou milhões de anos para terminar, O bebê transita em menos de um quarto de hora. É deste modo que Schwenk (1965) a descreve:

A criança antes do nascimento está num envoltório protetor de água, antes da sua entrada final dentro da esfera da atividade terrestre. Embora dentro de uma esfera, ele modela a sua forma ainda líquida, que se torna gradualmente mais condensada. Ao nascer, deixa o espaço esférico da água e entra numa relação com as forças direcionais da terra. Quanto mais ele cede a essas forças, mais o seu corpo se torna solidificado, o que é essencial para ficar de pé e aprender a andar. (Schwenk, 1965)

O paralelismo entre a vida no útero num modulo espacial foi descrito por muitas pessoas, mas foi particularmente bem capturado no poema “Cosmonauta” de Geoff Roberts:

31

Atemporal, sem peso

Flutuo livremente na órbita

Confortavelmente encapsulado

Na escuridão com ar-condicionado

Seguramente isolado

Mas com os meus delicados instrumentos de precisão

Esperando para serem usados

Todos os cinco

Preso ao sistema de intercomunicação, aquecido, alimentado,

Ouvindo o bombeamento

Do mecanismo,

Flutuando livremente na órbita, a cabeça

Para baixo, esperando pelo empurrão

E deixando para outro alguém

Todas as considerações

Dos problemas da reentrada

No final dos nove meses

Eis como uma criança de onze anos expressou sua percepção da emergência do mundo das águas:

O bebê escorrega para fora da mãe como uma lontra desliza da água. Quando o bebê está fora da mãe, está tão viscoso como um pedaço de alga marinha, As mãos estão enroladas como conchas do mar cheias de água. As costelas fazem com que pareça como se ele tivesse uma gaiola de pássaro comprida dentro dele. Os olhos são como ostras fechadas. O cordão é tão enrolado quanto uma trepadeira, com uma torção de veias leitosas e vermelhas. O cabelo é tão liso quanto uma capivara. Ele abre a boca e deixa sair seu primeiro som. Ele parece muito novo e lustrado. (Bowditch, 1971)

Pelo menos quatro transições diferenciadas estão em curso, e cada transição pode ser experienciada como uma expansão prazerosa ou um choque catastrófico, de acordo com o modo pelo qual a chegada do bebê será manejada.

A transição sensorial

A criança sai da obscuridade e entra num mundo de luz ofuscante. Deixa um mundo no qual, se não havia silêncio, pelo menos todos os sons eram diluídos pelo efeito de amortecimento da água, e penetra num mundo de sons ensurdecedores. Frederich Leboyer, no seu poema em prosa Brith without Volence, mostra a importância de luzes parcialmente obscurecidas e sons abafados no começo das suas recomendações para a humanização e sensibilização das 32 condições nas quais o recém-nascido chegam se quisermos evitar um choque desnecessário ao sistema sensorial. Pois os olhos podem sentir-se queimados por uma luz excessiva, assim como os ouvidos podem se sentir agredidos pelo barulho demasiado.

O líquido amniótico está na temperatura do sangue. A sala de parto média não tem provavelmente uma temperatura maior que 70ºF. A queda de temperatura é da ordem de 30º. Os processos de regulagem da temperatura no cérebro são disparados pelo ato do nascimento, mas passam-se muitas semanas antes que se tornem eficientes. O perigo de hipotermia é real para alguns bebês, Leboyer recomenda dois modos de reduzir o choque da queda de temperatura no recém-nascido: a colocação da criança com o rosto contra a pele do abdome da mãe imediatamente depois do nascimento e o uso de um banho quente como uma experiência sensorial aprazível. Leboyer (1975) escreveu:

Vamos colocar ou, melhor dizendo, recolocar a criança dentro da água. Pois o bebê emergiu da água, as águas maternas o carregaram, acariciaram e embalaram. Torne-o leve como um pássaro. Foi preparado um banho numa bacia. Na temperatura do corpo ou ao redor dela 98º ou 99ºF. Colocamos a criança dentro dela. Novamente com extrema lentidão. À medida que a criança afunda, torna-se sem peso e é libertada do corpo que o está esmagando – este corpo, bem como toda a sua carga de novas e rudes sensações. (Leboyer, 1975)

As vantagens de se colocar o bebê recém-nascido imediatamente em contato com o abdome da mãe são muitas: primeiramente, isto pode ser feito antes que se corte o cordão umbilical. Depois, é o lugar mais seguro em que o bebê pode estar, barriga contra barriga com o corpo que o encerrou por toda a sua existência até aquele momento.

Que melhor lugar poderia haver, Leboyer pergunta. “A sua barriga com o formato e dimensões exatas da criança. Dilatada pouco antes, oca agora, a barriga parece ficar ali esperando como que o próximo. E o seu calor e flexibilidade, à medida que sobre e desce com o ritmo da sua respiração, a sua maciez, a vida irradiando das suas peles, tudo se une para criar o melhor lugar de repouso para a criança” (id.,ibid.).

A pele é o maior órgão no corpo e oferece a maior área a experiência sensorial. Pelas experiências primitivas do contato da pele, a criança aprenderá em que mundo entrou: o que acaricia e aquece ou aquilo que a enregela. Janov (1973) sugeriu que a sensibilidade à temperatura na vida posterior pode depender parcialmente dessas experiências primitivas.

Pode bem ser que o parto difícil mais o choque da queda de temperatura no nascimento prejudiquem permanentemente o funcionamento adequado dos mecanismos de controle da temperatura, de modo que a pessoa fica depois acalorada ou friorenta.

33

A transição circulatória e o nascimento da respiração

Nos dez meses anteriores, a criança foi oxigenada com o ar que a mãe respirou. Para o resto da sua vida, ela respirará o próprio ar. Embora seu coração estivesse bombardeando o próprio sangue pelo corpo desde os 25 dias após a concepção, muito pouco foi para os pulmões e uma grande quantidade passou pela placenta. Tudo isso deve mudar agora.

As mudanças que ocorrem no sistema circulatório nos primeiros poucos segundos e minutos depois do nascimento são revolucionárias. O sistema vascular deve ser recanalizado. A melhor maneira de entender é olhar cuidadosamente para o que está acontecendo nos quatro compartimentos do coração antes e depois do nascimento.

Antes do nascimento, na circulação placentária, o coração recebe e expele o sangue como se segue:

Ventrículo esquerdo: quando este ventrículo se contrai, dirige o sangue através da aorta e pelo corpo do feto; mas uma grande proporção do fluxo descendente caminha através das duas artérias umbilicais para a placenta, onde é reoxigenado.

Aurículo direito: este compartimento do coração coleta o sangue que retorna a partir de duas fontes: o corpo do feto e a placenta. O sangue recentemente oxigenado que volta da placenta flui através da veia umbilical, passando para o coração quer pelo fígado, quer por um desvio da conexão principal do corpo, chamado duto venoso.

Ventrículo direito: este toma parte do sangue que sai e dispõe dele da seguinte forma: um fio flui através das artérias pulmonares para os pulmões, mas a maioria flui através de outro fio, o duto arterioso, para se unir ao fluxo principal da aorta para o corpo.

Aurículo esquerdo: apenas um fio entra nos pulmões, pela veia pulmonar.A maior parte do suprimento entra no aurículo direito através de uma abertura membranosa entre os aurículos, o forâmen oval (se este permanecer completamente aberto depois do nascimento, formará o “sopro no coração”).

Depois do nascimento, os impulsos reflexos de vasodilatação abrem o fluxo vascular para os pulmões e, ao mesmo tempo, os impulsos reflexos de vasoconstrição fecham o duto arterioso. O efeito disso é aumentar a pressão do sangue fluindo no aurículo esquerdo a partir dos pulmões. As artérias umbilicais também se contraem, reduzindo a pressão do sangue entrando no ventrículo direito através da placenta. Esses dois efeitos conduzem a pressão no aurículo esquerdo a exceder a do aurículo direito, e isto fecha a membrana entre os aurículos, o que, alguns dias depois, se solidifica como uma barreira permanente entre os dois Laos do coração.

O primeiro grito da criança expande os pulmões e põe essas mudanças circulatórias reflexas em movimento. Elas são rápidas, mas não instantâneas. O cordão pode continuar pulsando por diversos minutos depois do nascimento. 34 O fluxo final de sangue da placenta corre de volta para o corpo nascido do bebê. Se o cordão for cordato antes que tenha parado de pulsar, a criança experienciará um choque duplo: um choque circulatório e um choque respiratório. O choque circulatório provém do sangue ainda pulsando na artéria umbilical que está sendo desligada, criando o que R. D. Laing denominou efeito de “lavagem para trás”, uma pressão posterior na circulação geral do corpo efetuando um estresse desnecessário no funcionamento recente do coração. O corte das poucas últimas pulsações do fluxo da placenta na veia umbilical priva o bebê de um oxigênio valioso e pode diminuir o número de células vermelhas em circulação. O choque respiratório surge da necessidade de aspirar todo o oxigênio de uma vez através dos pulmões recém-expandidos.

Leboyer (1975) explica isso da seguinte forma:

Dois sistemas funcionando simultaneamente, um auxiliando o outro: o velho, o umbilical, continua suprindo oxigênio para o bebê até que o novo, os pulmonar, tenha assumido plenamente o seu lugar.

No entanto, uma vez que o bebê tenha nascido e saído da mãe, ele permanece ligado a ela por esse cordão umbilical, que continua a bater por diversos longos minutos: quatro, cinco, às vezes mais.

Oxigenado pelo cordão umbilical, protegido da anoxia, o bebê pode se acomodar à respiração sem perigo e sem choque. Descansado, sem pressa.

Adicionalmente, o sangue tem todo o tempo para abandonar seu velho caminho (que conduz à placenta) e preencher progressivamente o sistema circulatório pulmonar.

Durante esse tempo, de modo paralelo, um orifício se fecha no coração, que sela o velho caminho para sempre.

Em síntese, em média por quatro ou cinco minutos, o recém-nascido navega em dois mundos. Conduzindo oxigênio de duas fontes, ele se liga gradualmente de um ao outro, sem uma transição brutal. Mal se ouve um grito. (Leboyer, 1975)

Os que viram um bebê nascendo pelo método Leboyer, ao vivo ou num filme, terão notado como, em vez de um choro com distresse, envolvendo um uso instantâneo plenamente alimentado de sangue dos pulmões, não dando tempo aos tecidos sensíveis para se aclimatar aos sopros ressequidos de ar, a respiração do bebê chega a isto lenta e hesitantemente. Ele provê pequenas quantidades de prazer; as ondas da sua respiração são redemoinhos e pequenas ondulações, em vez de vagalhões.

Se a experiência do parto tiver sido traumática, como é para muitas crianças, maiores são as razoes para que as condições de chegada e transição sejam as mais suaves, calmas e harmoniosas possíveis. Não há nada melhor do que o notável livro de Leboyer, com sua ênfase nas qualidades de gradação do toque e do manuseio, e o respeito total pela sensibilidade do recém-nascido. Para ele, a chegada de cada bebê é a verdadeira natividade.

35

A transição gravitacional

Leboyer (1975) chama assim esse quarto passo na trajetória do nascimento, quando o bebê recém-nascido entra em contato com a terra firme. Eis o modo como descreve este momento:

Deixando a água, o bebê encontra um outro professor, um outro tirano: o peso da gravidade, o novo peso do seu próprio corpo.

Por nove meses o bebê foi um eterno viajante: o seu mundo em mutação nunca parou de mover-se. Às vezes gentilmente, às vezes violentamente. O corpo da mãe não estava sempre em movimento? E mesmo quando ela estava quieta ou adormecida, sempre havia o grande ritmo da sua respiração, do seu diafragma. O bebê viveu em movimento perpétuo. Agora, uma mudança verdadeiramente aterradora, tudo pára. Pela primeira vez. Nada se move. O mundo congelou, morreu. É o desconhecido. (id,.ibid)

O modo como esta experiência de contato com o solo é sentido dependerá da maneira como introduzimos a criança no solo. Para alguns, é uma experiência de completo abandono e desolação. A criança se sente assustada pela vastidão do espaço com a gelitude do solo. Ele se sente como caindo aos pedaços. Esta é a base da sensação de agorafobia, o medo de espaços abertos, de não ter limites, sem útero, exatamente contrária à experiência claustrofóbica, que é a de estar superconfinado e comprimido, preso no útero antes do nascimento. No entanto, se a criança for introduzida em terra firme gradualmente, como sugeriu Leboyer, a experiência pode ser insólita. Eis algo firme e que não cede, que ela aprende a empurrar. Contra sua solidez, ela testa os ritmos da vida do seu próprio corpo e aprende a distingui-los dos ritmos de vida de outras pessoas. As pessoas que de alguma maneira não têm uma base firme, esquivando-se de testar a sua força contra a solidez do solo, refreando a sua agressão, tendem a ter fronteiras do ego deficientes, a ser inseguras de onde começam e a outra pessoa terminar. Elas são invadidas mais facilmente.

Na criança pequena, esse sentido de gravidade está relacionando à experiência de cair. Se ela for pega com segurança e embalada ou levantada e abaixada, os movimentos de ausência de peso temporários recapturam as sensações de estar sendo embalada nos fluido uterinos dentro da mãe. Brincar com a gravidade é então semelhante a voar.

A criança insegura, por outro lado, tem medo de cair. A gravidade é um susto, o solo é o lugar do abandono, ou a superfície dura na qual irá bater se for jogada. Nenhuma criança pode cair dentro do útero. Mas pode cair fora dele. O medo de cair conduz a uma concentração organísmica, ao congelamento das sensações de correntes de energia e correntes aprazíveis no corpo, e à impressão dos reflexos primitivos de sobressalto que subjazem a todos os padrões posteriores 36 de tensão neurótica. Eis o modo como Wilhelm Reich (1948) descreveu a ansiedade de cair numa criança de três semanas:

O final da terceira semana de vida havia uma ansiedade aguda de cair. Ocorreu quando a criança foi tirada do banho e colocada de costas sobre a mesa. Não ficou imediatamente claro se o movimento de deitá-la foi muito rápido, ou se o esfriamento da pele precipitou a ansiedade de cair. De qualquer maneira, a criança começou a chorar violentamente, colocou os braços para trás como que para conseguir apoio, tentou trazer a cabeça para frente, mostrou uma ansiedade intensa nos olhos e não podia ser acalmada. (Reich, 1948)

No dia seguinte, Reich notou que a lâmina do ombro direito e o braço direito estavam recuados e menos móveis que o braço esquerdo. Durante sua ansiedade, a criança estava apertando os músculos como que para manter o controle.

Reich relaciona que está acontecendo com o desvio súbito da bioenergia (orgone) da periferia do corpo em direção ao centro:

A sensação de queda é a percepção interna imediata da imobilização da periferia do corpo, da perda de equilíbrio. Segue-se que o equilíbrio do corpo no campo da gravidade é uma função da pulsação orgonômica plena a periferia do sistema orgonômico. (id,.ibid.)

As implicações plenas de ansiedade de cair serão desenvolvidas em outro contexto. No momento, basta estabelecer padrões básicos no modo como ela mantém seu corpo, a sua organização muscular, à medida que resiste e se opõe ou se rende à gravidade.

A transição alimentar

A quarta transição crucial é a transição alimentar, quando a criança toma sua primeira alimentação externa e seu sistema digestivo aprende a funcionar suavemente. Esta é uma transição mais duradora, que pode levar semanas para se efetuar. Sua realização é referida habitualmente como o estabelecimento. Enquanto a conexão umbilical assegurava um suprimento constante de alimentação, o bebê recém-nascido tem apenas uma conexão temporária: o acoplamento da boca e do mamilo. A criança deve aprender a coordenar os movimentos de beber e respirar para não engasgar e levar leite aos pulmões, ou desenvolver dor de estômago levando ar aos intestinos. Suas tendências de auto-regulação podem funcionar apenas na presença de uma mãe suficientemente sensível aos seus próprios ritmos para ajustar o fluxo de alimentação à demanda, aprendendo a distinguir o choro de fome do choro de desconforto, devido talvez a gases. O distresse nesse período é tão comum que é conhecido como “a cólica dos três meses”. 37

O pediatra neozelandês Bevan-Browne descreveu como a relação de aleitamento é a primeira experiência realizada pelo bebê, na qual ele tem de procurar ativamente a fonte de alimentação e prender-se a ela. O termo “enraizado”, que descreve os movimentos da cabeça do bebê de um lado para o outro enquanto busca o bico do seio, enfatiza que ele está restabelecendo, por meio da boca, o enraizamento que estava garantido para ele dentro do útero, pelo cordão umbilical. Escreve Bevan-Browne (1950) :

Chamamos este instinto ou tendência, uma tendência copulativa. Isto pode ser observado nas criaturas tão antigas quanto o protozoário… Nos mamíferos e no homem essa tendência copulativa é de suprema importância nos primeiros meses de vida. Estamos buscando mostrar que a criança tem uma necessidade urgente de copular com uma pessoa, a saber, a mãe, por intermédio do mamilo e da boca; e isso precisa transcender a mera necessidade de sustento químico. Em outras palavras, sugar é uma experiência sensual que inclui:

  1. Sensações intensas derivadas do contato dos lábios, língua e palato com o bico do seio.

  2. Sensações oriundas do contato do nariz e da face com o peito.

  3. Sensações gerais de maciez e calor.

  4. Sensações de ser envolvido, apoiado e pego ou abraçado.

  5. Odores corporais da mãe.

  6. Sensações de satisfação na boca, faringe, esôfago e estômago, por receber o leite quente.

  7. Sons de qualidade apropriada pela mãe.

  8. Sensações nas mãos da carícia, pressão e afago do peito.

  9. Impressões visuais da expressão facial da mãe.

 

As crianças que têm a sorte de experimentar a alimentação no peito neste sentido pleno e plenificador mostrarão com freqüência uma resposta corporal total, que é o protótipo do orgasmo no adulto: o reflexo de sucção se desenvolve em tremores de todo o corpo, braços e pernas – um orgasmo oral.

Biólogos do Peckham Health Centre reconheceram as sutilezas do processo de aprendizagem em relacionar não apenas o estado emocional da mãe, mas a entrada de alimentação externa. Eles escrevem:

 

Uma vez nascida, a criança deve alimentar, através do seu próprio canal de alimentação, todos os órgãos que estão formados e prontos para uso no momento do nascimento. Mas ela não pode dominar instantaneamente o uso desses órgãos, não mais do que, quando nasce, pode usar imediatamente suas pernas para andas ou seus olhos para ver. É um aprendiz desde o momento do nascimento, assim como foi um aprendiz no útero. A criança deve ainda aprender o processo de assimilação do leite através do seu aparato de alimentação. Este, portanto, um dos primeiros sinais que o biólogo procura na vida do recém-nascido, o seu estabelecimento, significa por isso que ele dominou o processo de digestão do leite de sua mãe. 38

 

O estabelecimento é reconhecido pelo aspecto geral da criança que perde o que às vezes é um semblante ansioso e sempre preocupado e adquire a serenidade. O corpo se dilata; a pele agora se ajusta à sua figura minuciosamente; os olhos se abrem amplamente quando ela está desperta e, como um filhote de cachorro satisfeito, ela dorme profunda e serenamente nos intervalos. (Pearse, 1943)

 

Um bebê recém-nascido satisfeito altera períodos de sucção a períodos de sono, mas experiência também que qualquer processo é atemporal. O acoplamento ao peito é um processo ativo-receptivo – capaz de estabelecer o fundamento para o contato e o fim do contato na vida posterior. Período de imersão no fluxo de leite e o contato com o peito se alteram com períodos acordados de contato geral e manejo com a mãe, que são simplesmente básicos para o desenvolvimento de um sentido de self bem enraizado. Diz-se que o contato com a mãe pelos olhos freqüentemente não se desenvolve até pelo menos quatro semanas depois do nascimento, mas o trabalho de Leboyer sugere que pode estar presente muito mais cedo. Este é o modo como Miriam Dror descreveu os olhos da sua filha Alissa:

Senti um corpo escorregadiço maravilhoso cheio de vida vindo para fora, e ali estava ela no topo de mim levantando-se sobre as pequenas mãos e olhando direitamente nos meus olhos como eu nunca havia sido olhada antes. E é este olhar que eu ainda tenho de capturar em palavras. O entanto, ela ainda não havia tomado um sopro de ar do mundo, ainda estava conectada ao meu corpo e respirando através do cordão, mas… com uma sabedoria muito além da compreensão. O olhar firme e firmemente dirigido fez com que eu parasse de repente. Estou certa de que me coração pulou um pouco e que nós duas paramos no espaço fora do tempo para aquela breve troca.

Dores da transição

As transições mencionadas até agora são básicas para o sentido emergente de si da criança recém-nascida fora do útero. Elas podem ser experiências que alimentam e preenchem o corpo do nascido bebê ou experiências que o estressem e o dobrem em nós de tensão e lamentos de dor e sofrimento.

Uma paciente de Francis Mott teve um pesadelo no qual vivenciou quatro medos específicos:

  1. O pavor do relâmpago de luz.

  2. O pavor do soar do trovão.

  3. O pavor dos ventos acelerados.

  4. O pavor da água arremessando ondas nervosas através de uma fenda nas colinas de areia.

Mott (1948) comenta sobre a origem biológica desses medos da seguinte forma: 39

A razão pela qual ela permaneceu tão amplamente “não-nascida” é que reagiu com medo demasiado à abertura dos orifícios da sua cabeça no nascimento. Ela temeu a luz nos olhos, o som nos ouvidos, a respiração nos pulmões e a comida na sua boca. Esses medos que foram redespertados pela tempestade. O relâmpago evocou novamente o medo da luz no olho. O trovão redespertou o medo do som no ouvido. Os ventos acelerados redespertaram o medo do leite precipitando-se na boca. Minha paciente, em síntese, nunca se abriu para a recepção livre e sem medo do mundo, e, desse modo, manteve-se um indivíduo fetal. (Mott, 1948)

Mott construiu toda uma teoria do desenvolvimento humano – que chama biossíntese – a partir dos seus insights sobre a natureza das transições do útero para o mundo externo. Pois se o enraizameto básico de uma pessoa no mundo se transforma numa experiência chocante ou traumática, de modo que os órgãos de contato são apenas hesitantemente estendidos, a base da segurança no mundo, o próprio corpo – ou o corpo dos outros – é solapado, enfraquecido ou destruído.

Antes do nascimento da linguagem, antes que qualquer palavra seja dita, o sentido básico de identidade, ou a sua ausência, já está formando. Ele flui da matriz das pulsações umbilicais que param quando o cordão é cortado e substituído pelos ritmos da respiração e da sucção. É acariciado no ser pelo contato da pele sobre a pele, que substitui o movimento do fluido do útero pela lanugem, e é elevado e aprofundado pelo acender dos olhos no prazer e pelos sons rítmicos da voz acariciando o seu ouvido. Nasce fora dos movimentos espontâneos do corpo que o contiveram por nove meses nos fluidos protetores do útero, agora esticado e experienciando a finalidade imensurável e a solidez da terra, as tensões e relaxamentos dos músculos reagindo à gravidade.

A criança recém-nascida chegou à terra e é manejada pelos seus pais. O relacionamento social complexo desta parte específica do mundo está à sua volta, mas ela não está atenta a ele ainda. Despido de cultura, ela espera pelo processo de condicionamento que conduzirá à formação do caráter.

Referências bibliográficas

BENYON, Constance. “The normal second stage of labour”, Journal of Obstetrics and Gynaecology, Vol. 64, Nº6, December 1957.

BEVAN-BROWNE, M. Sources of love and fear, Wellington, Nova Zelândia 1950.

BOWDITCH, Valerie. “Beginnings”, in Handfuls of Light, Abbotsbury 1971.

CASSERLEY, Norman. Live-News, 22nd January, citada em 1975.

DICK-READE, Grantley. Revelation of childbirth, Heineman, 1946.

Grof, Stanislav. Realms of the human unconscious, Viking Press, 1975

HARTMAN, Otto. Dynamische Morphologie, Frankfurt, 1959.

HOWE, E. Graham. Cure or heal? Allen and Unwin, 1966.

JANOV, Arthur The feeling child, Simon and Schuster, 1973.

KELEMAN, Stanley. Your body speack its mind, Simon and Schuster, 1975. (Publicado pela Summus Editorial sob o título O corpo diz a sua mente)

KITZINGER, Sheila. The experiencie of childbirth, Penguin 1972.

LAING, R.D. The facts of llife. Allen Lane, 1976.

LEBOYER, Frederich. Birth without violence, Nova York, 1975.

LILEY, A. W. The foetus as a personality, School of Obstetrics and Gynaecology, University of Auckland, Nova Zelândia.

LUCE, Gay Biological rhythms in human and animal physiology, Do Publications, 1971.

MONTAGU, Ashley Touching, Harper and Row, 1971. (Publicado pela Summus Editorial sob o título Tocar)

MOTT, Francis Bio-synthesis, Filadélfia, 1948.

NILSSON, Lenard ET al. The everyday miracle, Allen Lane, Londres, 1967.

PEARSE, I. e Crocker, L. The Peckham Health Experiment, Allen and Unwin, 1967.

PETERSEN, Fred Experiences in obstetrics.

REICH, Wilhelm “Falling anxiety in an infant of three weeks”, in Cancer Biopathy, Orgone Institute press, 1948

RITTER, Paul e Jean “An orgonomic functionalist theory of birth”, Orgonomic Functionalism, vol. 1 nº2, March, 1954

SCHWENK, Theodore Sensitive Chaos, Londres, 1965.

SELINGER, Zeling From Newsletter of the Institute of Bio-energetic Analysis, nº 3, September, 1975.

VELLAY, Pierre Childbirth without Fear, Hutchison, 1959.

YUNKER, Barbara “Delivery `procedures that endanger a mother’, life”, Good Housekeeping, August, 1975

1 comentário Add your own

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: